F-Indy corre contra o tempo em Corby

A água brota do asfalto e é uma séria ameaça à realização do GP da Inglaterra de Fórmula Indy, no oval de 1,5 milha de Rockingham, marcado para este sábado. O inusitado problema impediu a realização dos dois treinos marcados para esta sexta-feira e fez com que a Cart e a organização da corrida criassem uma verdadeira operação de guerra para tentar viabilizar a corrida, marcada para às 11h deste sábado, com transmissão da TV Record.Sem a possibilidade de fazer treinos classificatórios, o grid de largada já foi definido seguindo as posições dos pilotos na classificação do campeonato. Nos últimos dois dias, apenas uma leve garoa caiu sobre o autódromo inglês. Mas a pista não pode ser liberada para os carros nesta sexta-feira, já que em várias partes do circuito a água simplesmente estava brotando do asfalto.Segundo David Grace, diretor do autódromo, o problema acontece por causa das fortes chuvas que caíram nas últimas semanas na Inglaterra. Os lençóis de água subterrâneos estão mais altos e vêm à superfície. Na reta dos boxes, cenas insólitas eram vistas. De uma hora para outra, na pista seca, surgia uma poça da água vinda do subsolo. David mostrou certo desespero na coletiva que deu nesta sexta-feira à tarde. "Precisamos confiar na Mãe-Natureza e esperar que não chova mais até sábado", disse.Ele detalhou a complexa operação que foi iniciada nesta sexta-feira para que a prova seja realizada. No ponto mais crítico do circuito, entre as curvas 2 e 3, uma mina de água está no meio da pista. Hoje, vários tratores e escavadeiras estavam no local. A idéia era criar uma série de buracos na lateral da pista para escoamento da água. Também foi acionado um reforço nos jet-dryers, carros que carregam turbinas de aviões e que ligadas funcionam como secadores de pistas. A Cart normalmente leva dois para cada autódromo. Hoje, seis já estavam preparados para secar a pista. Por razões de segurança, a Cart não permite que os carros andem nos circuitos ovais mesmo que a pista esteja apenas úmida.A hipótese de fazer a corrida no circuito misto que faz parte do complexo de Rockingham também foi descartada. "Nossos carros não vieram para a Europa configurados para correr em circuitos mistos e o contrato da corrida também não permite a realização", disse o tenso Joseph Heitzler, presidente da Cart. Se os problemas não forem resolvidos até o sábado, a prova pode ser adiada para domingo. Se chover, a prova provavelmente será cancelada, já que a pista demoraria mais de um dia para secar. "O último dia para fazer a prova é no domingo", garantiu Heitzler.Prejuízo - Prevendo possíveis problemas, a organização já anunciou nesta sexta-feira que caso a prova não se realize, os torcedores serão ressarcidos do dinheiro pago pelos ingressos (o mais barato para sábado custa 60 libras). A situação já causa problemas para os pilotos. A programação de sábado foi modificada. No lugar do warm-up, será realizado um treino de duas horas, a partir das 10h (6h de Brasília) para que os pilotos conheçam o circuito e comecem a acertar o carro. Entre o final do treino e o começo da corrida, os mecânicos terão três horas para fazer mudanças. A maioria das equipes terá de trocar o motor do carro. "Não dá para fazer treino longo e corrida com um mesmo motor.Vamos trocar e acertar o segundo nas primeiras voltas da corrida", disse Hélio Castro Neves. Ele lembrou que se o novo motor tiver algum tipo de vazamento, não haverá como fazer reparos. "Meu motor, da Toyota, agüenta mais de 500 milhas", disse Maurício Gugelmim. A prova terá 500 quilômetros de extensão (310 milhas). "O ideal vai ser tentar sobreviver no início da corrida, com todos esses problemas. Depois, tentar fazer alguma coisa. Apesar de ser um circuito oval, as ultrapassagens aqui serão difíceis. É quase sempre uma curva", disse Bruno Junqueira, que reclamou ainda da falta de treino classificatório.Com o sistema, ele vai largar na 16ª posição. "Meu carro está com um acerto bom para os circuitos ovais. Se tivesse um treino, com certeza largaria mais na frente. Isso é injusto", reclamou. "Acho que não vai ter corrida. Morei aqui na Inglaterra vários anos e é muito raro ficar mais de dois dias seguidos sem chover por aqui, como aconteceu nesta quinta-feira e hoje", disse Bruno.Grid - O grid de largada terá: 1) Kenny Brack (Suécia, 131 pontos); 2) Gil de Ferran (Brasil, 120); 3) Michael Andretti (EUA, 115); 4) Hélio Castro Neves (Brasil, 111); 5) Scott Dixon (Nova Zelândia, 86), 8) Cristiano da Matta (Brasil, 78); 9) Roberto Moreno (Brasil, 74); 10) Tony Kanaan (Brasil, 72); 13) Christian Fittipaldi (Brasil, 56); 15) Bruno Junqueira (Brasil, 50); 23) Maurício Gugelmim (Brasil, 17); 24) Max Wilson (Brasil, 12).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.