F-Indy vai homenagear vítimas dos EUA

A Fórmula Indy vai furar neste sábado a paralisação de praticamente todos os esportes norte-americanos. A primeira corrida da categoria na Europa, no circuito de Lausitz, na Alemanha, foi confirmada no mesmo dia em que quase todas as associações esportivas dos Estados Unidos cancelaram jogos, rodadas e corridas por causa dos atentados de terça-feira em Nova York e Washington.As duas outras mais importantes categorias do automobilismo dos Estados Unidos não vão correr no final de semana. A Nascar cancelou a corrida que tinha programada para New Hampshire, que agora será realizada em novembro. A IRL cancelou a última etapa da temporada, no Texas. As rodadas da NFL (futebol americano), MLB (beisebol), NHL (hóquei) e MLS (futebol) foram canceladas. Com isso, a Indy será o único grande evento do esporte americano no final de semana.Na Indy, a indefinição continuou até esta sexta-feira. Pela manhã, foi realizada uma reunião com todos os chefes de equipe para decidir sobre a realização da prova. Até o começo da tarde, os pilotos ainda não sabiam se a corrida estava confirmada.No início da noite, a Cart soltou um comunicado oficial confirmando a prova, que teve seu nome oficial modificado para "The American Memorial", em homenagem às vítimas dos atentados de terça-feira. Estão previstas condolências como uma volta de apresentação mais lenta que os pilotos vão dar, passando por dentro dos boxes, onde os mecânicos das equipes e bombeiros alemães estarão portando bandeiras americanas. Além disso, a Associação de Pilotos vai fazer uma doação de US$ 50 mil para a Cruz Vermelha Americana.Os pilotos americanos ainda estão atônitos com a situação e não sabem se a corrida deveria ou não ser realizada. "Uma parte de mim diz que deveríamos correr e mostrar para o mundo que não fomos afetados. Outra parte gostaria de estar em casa, junto das pessoas que gosto", disse Brian Herta.Michael Andretti, maior ídolo americano da categoria, só conseguiu chegar nesta sexta-feira à Alemanha. Ele tinha previsto sua saída na terça-feira, mas ficou preso quando o País fechou o espaço aéreo por causa dos atentados. Ele só conseguiu viajar às 16h de quinta em um vôo particular. Chegou a Dresden às oito da manhã desta sexta-feira e foi direto para a pista, trabalhar no acerto do carro. "Foi um dia longo. Fiquei acordado por quase 30 horas e estou muito cansado. É difícil explicar para as pessoas que eu tenho que estar na Alemanha e não em casa", disse. "Acho que a IRL e a Nascar cancelaram as provas por causa da parte logística. Eles não tinham como levar os equipamentos.Nós já estávamos aqui desde o começo da semana. Eu sei que muitos pilotos e mecânicos gostariam de estar em casa, nos Estados Unidos, mas é impossível voltar para casa", disse Tony Kanaan, que mora em Miami com a irmã e a namorada.Treinos - Tony foi o mais rápido nos primeiros treinos que a Indy realizou em Lausitz, nesta sexta-feira à tarde. Pela manhã, a chuva continuou e os carros não puderam entrar na pista. À tarde, só entraram com duas horas de atraso por causa do mau tempo. Os pilotos tiveram duas horas para ter o primeiro contato com a pista em Lausitz e ficaram impressionados. "Acho que os americanos deveriam vir aqui para aprender como se faz uma pista oval. É ótima", disse Tony.Todos ficaram impressionados com a velocidade alcançada. A melhor volta de Tony teve média de 338,5 km/h. O oval de Lausitz tem o formato de um triângulo, com três curvas. Os pilotos são obrigados a frear em todas elas. "É um layout diferente, nada parecido com nenhum outro que já corremos. É uma pista rápida e, no começo, você não corre tanto.Acho que o fato de ter havido só um treino vai prejudicar um pouco aqueles que estão brigando pelo título. Quem não está vai se arriscar um pouco mais", disse Hélio Castro Neves, que ficou em sexto nos treinos desta sexta-feira.Os treinos não valeram para definição do grid de largada. A Cart tinha anunciado na quinta-feira que o grid seguiria as posições da classificação do campeonato. Gil de Ferran será o pole, mas não ganha o ponto extra. O sueco Kenny Brack é o segundo, Hélio Castro Neves, o terceiro, Michael Andretti, o quarto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.