F-Truck leva 50 mil pessoas a Interlagos

O vencedor da sétima etapa da Fórmula Truck brasileira, realizada neste domingo no Autódromo de Interlagos foi Wellington Cirino (Mercedes), seguido de Renato Martins (Volkswagen), e Beto Monteiro (Ford). A prova foi emocionante. O público se impressionou com dois acidentes que aconteceram e mudaram o rumo da corrida. Djalma Fogaça (Ford), líder do campeonato, perdeu a chance de conquistar o título em São Paulo. Na décima volta, Herberto Heinen (Volvo), parou sozinho na pista e seu caminhão começou a pegar fogo. Djalma vinha atrás, e até conseguiu se manter longe do acidente. Quando deu ré para seguir na prova, seu caminhão foi atingido pelo de Vignaldo Fizio (Mercedes). Os três ficaram fora da prova e Djalma foi levado para o Hospital Santa Marina para a realização de alguns exames. Seis voltas depois foi a vez de Mad Macarrão (Volvo) se envolver sozinho em um acidente. Desde o início da corrida seu caminhão apresentava problemas - até começar a pegar fogo. Macarrão, o showman da Fórmula Truck, levou o veículo até uma área segura e saltou de dentro do caminhão em chamas. O piloto saiu ileso e muito aplaudido pelo público. Os pilotos fizeram questão de agradecer o carinho do público paulista, que lotou o autódromo de Interlagos e cumpriu as expectativa da organização, que contabilizou o público de 50 mil pessoas. "Quando larguei, em nono, já estava chorando de emoção por causa do público. Vi gente que estava torcendo por outras escuderias acenando para mim, me ovacionando. Realmente fiquei emocionado com essa corrida em São Paulo", disse Renato, o primeiro campeão da Fórmula Truck, em 1996. Para ele, o principal problema de correr em São Paulo é administrar o trabalho nos boxes. "Sempre tem muita gente, ainda mais porque a Débora (Rodrigues) é minha companheira de equipe." A única moça na competição agradeceu. "Esse público é maravilhoso e viu o que queria ver: batidas, shows. São Paulo sempre agrada com os espectadores." Wellington foi menos passional que Renato. "Todas as provas são muito importantes para mim, apesar de a de São Paulo ser a mais importante para os patrocinadores." Beto Monteiro, terceiro colocado, emendou. "A corrida aqui tem mais presença dos diretores das empresas patrocinadoras, por isso é mais agitada. Temos uma agenda de visitas a cumprir. O público me impressionou, sempre me impressiona."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.