F Truck: quebra não tira ânimo de Totti

Durante o fim de semana o box da equipe de Leandro Totti foi o que mais atraiu o público. Tudo estava a favor do piloto: correria em casa, largaria da pole e poderia tomar a liderança da competição. Mas a quinta etapa da Fórmula Truck acabou na 12ª volta, com a quebra da alavanca do câmbio de seu Ford. Ainda assim, o paranaense, que há três anos nem pensava em ser piloto, saiu satisfeito da pista e já pensa na etapa de Campo Grande. "Estava tudo dando certo, mas em corrida também tem o fator sorte. A alavanca do câmbio quebrou, e antes eu já tinha batido no Vignaldo. Mas o público aplaudiu e reconheceu o trabalho", disse Totti. O piloto vem de família de mecânicos. "Meu pai e meu avô eram mecânicos de carros normais. Eu corri de kart dos 9 aos 12 anos, depois larguei e fui me dedicar à mecânica, só que de carros de competição. Com 18 anos montei um Fusquinha que tenho até hoje", lembra, dez anos depois. E por sorte Totti se envolveu com o automobilismo. "Cuidávamos dos carros do Ernesto Pívaro, o Gardenal, que corria. Ele me chamou para ser mecânico da equipe dele e depois começou a correr de kart. Em 2002 ele sofreu um acidente e não pôde mais correr, por isso me convidou para ser o piloto", conta. Na classificação, Totti está na terceira posição com 48 pontos, atrás de Wellington Cirino (69) e Fabiano Britto (50). Para Campo Grande as expectativas são boas: "O caminhão está bom, e a pista de lá é parecida com a de Londrina. Agora queremos manter a regularidade para continuar brigando pelo título."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.