F1: breve história do GP da Grã-Bretanha

Se existe um GP em que os pilotos brasileiros sugerem ter enorme afinidade é o da Grã-Bretanha, a ser disputado neste domingo no circuito de Silverstone. Foi nessa prova, disputada em 1970, em Brands Hatch, que Emerson Fittipaldi estreou na Fórmula 1, com um Lotus 49. Foi oitavo. Nessa mesma corrida, em 1975, pela McLaren e em Silverstone, obteve a última das suas 14 vitórias no Mundial. Há quem considere sua brilhante performance na edição de 1972, quando também venceu, em Brands Hatch, como um dos seus melhores trabalhos na Fórmula 1, depois de uma disputa épica com Jackie Stewart, da Tyrrell, e Jacky Ickx, da Ferrari. Silverstone já foi chamado de "Silvastone", em referência as muitas vitórias de Ayrton Senna da Silva no veloz traçado inglês, nas Fórmula Ford 1600, em 1981, Fórmula Ford 2000, em 1982, e Fórmula 3, em 1983. Na Fórmula 1 Senna foi primeiro em 1988, com McLaren. A boa retrospectiva do Brasil no GP da Grã-Bretanha não se limita a representantes do passado. Rubens Barrichello obteve, em 2003, a vitória considerada mais expressiva da sua carreira, com Ferrari. Chegou a ficar em oitavo, no começo, mas depois, um a um, ultrapassou seus adversários e recebeu a bandeirada em primeiro. O momento da Ferrari e de seu fornecedor de pneus, a Bridgestone, neste domingo, não lhe permite sonhar com desempenho semelhante. Seria uma grande surpresa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.