F1 estuda fazer uma nova prova nos EUA

Por enquanto, é apenas uma idéia. Mas que já ganhou importantes adeptos, como Bernie Ecclestone, promotor do Mundial, a direção da Michelin e de várias equipes da Fórmula 1: realizar uma corrida extra, em Indianápolis, depois que o campeonato acabar, no dia 16 de outubro, com o GP da China. Mas será preciso que todos concordem.Nesta sexta-feira, em Magny-Cours, onde acontece o GP da França, representantes da sete equipes que competem com os pneus franceses, da própria Michelin e Ecclestone reuniram a imprensa para comunicar que além da razão de segurança, já alegada, para não disputar o GP dos Estados Unidos, havia a questão legal. Como a Michelin distribuiu comunicado, em Indianápolis, expondo o problema dos seus pneus, que explodiam, a lei norte-americana consideraria "crime" seus times participarem do evento. "Qualquer coisa que acontecesse, e provavelmente aconteceria, já se conhecia o culpado", declarou Ecclestone. "A tentativa de realizar um GP extra em Indianápolis seria uma maneira de mostrar que a Fórmula 1 ficou mais afetada que a própria torcida norte-americana com o ocorrido dia 19", afirmou Flavio Briatore, da Renault.Acompanhe a cobertura completa da temporada 2005 da Fórmula 1

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.