F1 inicia testes para GP da Malásia

A Ferrari começa já nesta quinta-feira, à meia noite, tentar sair da incômoda situação de ser apenas a quarta colocada no Mundial de Construtores, depois de Michael Schumacher não ter ido ao pódio em Melbourne, dia 9. Quando isso ocorre é uma surpresa na Fórmula 1. Com a diferença de 11 horas a mais no horário de Kuala Lumpur em relação a Brasília, o primeiro treino do GP da Malásia, segunda etapa da temporada, inicia-se ainda nesta quinta-feira para a maioria dos brasileiros. "The World´s Hottest Race" é como os malaios definem sua competição, ou "A corrida mais quente do mundo." Com a dupla pontuação da Renault no GP da Austrália - Jarno Trulli em quinto e Fernando Alonso em sétimo -, até a equipe francesa deixou a Ferrari para trás.A McLaren lidera o Campeonato de Pilotos com David Coulthard, 10 pontos, e o de Construtores, 16. A Ferrari, pelas condições adversas da prova de abertura do ano, somou apenas 4 pontos. A Williams tem 9 e a Renault, 6. Não há dúvida de que Michael Schumacher entrará ?mordido? na pista, nesta quinta-feira, da meia noite a uma hora, desde a primeira sessão de treinos livres no circuito de Sepang, que nesta quarta-feira atingiu 37 graus de temperatura e umidade do ar de 80%. "Não me excluam de lutar pela vitória", vem dizendo o alemão.Desta vez, porém, o campeão do mundo não será o "lixeiro" como ele próprio comentou ao ter sido o primeiro a sair para a tomada de tempo, na classificação de sexta-feira à tarde na Austrália. "Limpei o asfalto para os outros", afirmou sem gostar da experiência. O líder do Mundial, Coulthard, será o primeiro a marcar tempo na classificação, na próxima madrugada, das 3 às 4 horas. Schumacher, o quarto. Numa prova de que apesar de toda a sua superioridade técnica a Ferrari está preocupada com a situação, a equipe confirmou nesta quarta-feira que treinará em Barcelona, de terça a sexta-feira, com quatro pilotos, os dois titulares, Schumacher e Rubens Barrichello, e os dois de testes, Felipe Massa e Luca Badoer.O assessor de imprensa da Ferrari, Luca Colajanni, confirmou nesta quarta-feira que o novo modelo F2003-GA voltará aos testes no Circuito da Catalunha e está programado para Rubens Barrichello conduzi-lo. Será sua estréia com o carro.Mas antes de a Ferrari tentar reagir na classificação, já das 21h30 às 23h30, nesta quinta-feira ainda, os pilotos da Renault, Jaguar, do brasileiro Antonio Pizzonia, Jordan e Minardi realizarão suas duas horas extras de treinamento, como bônus por terem aceitado a limitação de dez dias de testes privados com dois carros ou 20 com um só ao longo do ano. "Tudo o que eu espero aqui na Malásia é não ter de ir para a classificação, à tarde, sem conhecer a pista, como aconteceu na Austrália", disse nesta quarta-feira Pizzonia.Em Melbourne ele ficou a sexta-feira de manhã praticamente parado por causa de problemas no seu Jaguar R4. E se para o amazonense Pizzonia quanto mais quente melhor, para o branquelo finlandês Kimi Raikkonen, da McLaren, terceiro na classificação com 6 pontos, pior será. Poucos pilotos estiveram na pista nesta quarta-feira. Mas se existia alguém que transitava com desenvoltura pela condição quase desumana do clima, sem procurar sombras para alojar-se, foi Pizzonia. "Manaus é isso aqui que esse pessoal está sentindo", disse, de macacão e tudo, sem importunar-se. Já o inglês Justin Wilson, novato da Minardi, discutia com os técnicos da equipe formas de ventilar o cockpit. "Não será fácil suportar essa temperatura."O calor e a seletividade do traçado de 5.543 metros são algumas das atrações desta prova bem particular do calendário. Cristiano da Matta atendeu a compromissos da Toyota e não esteve nesta quarta-feira no circuito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.