Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Faltam talentos na categoria de entrada da F1, diz Ron Dennis

A série GP2, categoria de acesso àFórmula 1 que Lewis Hamilton venceu dois anos atrás, nãoproduziu ninguém notável nesta temporada, de acordo com RonDennis, chefe da McLaren. "Talentos excepcionais na GP2 saltam aos olhos", disseDennis aos repórteres no GP da Itália depois que o italianoGiorgio Pantano conquistou o título à frente de Bruno Senna,sobrinho do falecido tricampeão Ayrton Senna. "No momento há alguns caras ainda um pouco inexperientesque podem se dar bem no ano que vem, mas não acho que hajaninguém na GP2 que salte aos olhos como um talento fenomenalatualmente." "Mas é claro que é a categoria de entrada e alguns grandespilotos saíram da GP2", acrescentou Dennis. "Há alguns jovens que podem melhorar no ano que vem, masnenhum é realmente sensacional. Eles fazem um boa corrida vezpor outra mas nenhum predomina." Pantano finalizou a corrida deste domingo com 76 pontoscontra 64 de Senna. O italiano de 29 anos, que já passou uma temporada malsucedida na F1, quando largou em 14 provas na extinta Jordan em2004 sem marcar um ponto, corre na GP2 desde 2005. O novato Bruno Senna, de 24 anos, corre há pouco mais dequatro anos e se espera que chegue à Fórmula 1 no futuro. Oindiano Karun Chandhok também venceu uma corrida este ano. A série GP2, que deve ser substituída por uma nova sériemais barata no ano que vem, produziu um quarto do atual grid delargada da Fórmula 1, incluindo o líder do campeonato LewisHamilton. O alemão Timo Glock, da Toyota, foi campeão da categoria noano passado, enquanto o brasileiro Nelsinho Piquet, da Renault,foi vice em 2006 atrás de Hamilton. Nico Rosberg, piloto alemão da Williams e filho de Keke,campeão de 1982, conquistou o primeiro título da GP2 em 2005.Seu atual companheiro de equipe, o japonês Kazuki Nakajima,esteve na GP2 no ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.