Tim Chong/Reuters
Tim Chong/Reuters

Felipe Massa acredita em forte reação contra as restrições em rádio

Brasileiro da Mercedes revela que mudanças incomodaram muito os pilotos, que prometem se reunir para protestar contra as medidas

Estadão Conteúdo

18 Setembro 2014 | 12h05

Felipe Massa afirmou nesta quinta-feira que a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) deverá enfrentar forte resistência dos pilotos às restrições impostas nas comunicações via rádio durante as corridas da Fórmula 1. Uma série de proibições foi anunciada na semana passada e passará a valer já no GP de Cingapura, no domingo.

"Se ficar assim, haverá uma grande discussão amanhã no briefing dos pilotos", disse o brasileiro, referindo-se à tradicional reunião entre representantes dos pilotos e Charlie Whiting, diretor de provas da F1.

Na sua avaliação, as mudanças incomodaram os pilotos porque foi anunciada no meio da temporada, e não no início, como de costume. "Para mim, é um pouco engraçado mudar este tipo de regra agora. Não é o momento certo", criticou.

A polêmica decisão da FIA visa aumentar a competitividade das corridas ao reduzir o auxílio das equipes aos pilotos. Entre as restrições estão mensagens que informem ao piloto o tempo dos rivais em cada setor da pista, a quantidade de combustível que precisa ser poupada, a necessidade de ajustes no sistema de recuperação de energia, motor ou câmbio, mensagens em código.

Para Massa, algumas proibições são compreensíveis, enquanto outras podem até ameaçar a segurança das provas. "Temos que cumprir diversas tarefas dentro do carro e, se não o fizermos, poderemos elevar a temperatura dos freios, o que poderia gerar um incêndio. Possivelmente poderão acontecer grandes acidentes", alertou.

Ele destacou que a maior complexidade dos novos motores que passaram a ser utilizados neste ano também exigem uma maior parceria entre piloto e engenheiros via rádio. "Contamos hoje com uma unidade de potência muito complicada e que não depende apenas do piloto.

O brasileiro ainda insinuou que as restrições devem favorecer a Mercedes, que já lidera os dois campeonatos, de Construtores e de Pilotos, por causa das características dos painéis de cada carro.

Com a proibição de algumas comunicações via rádio, os pilotos que contam com um painel maior no cockpit, caso da líder da temporada, sairão em vantagem porque terão acesso a mais informações durante a corrida. "O time que será mais beneficiado será a Mercedes, que é a equipe que já está vencendo o campeonato", destacou Massa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.