Laurent Dubrule/Reuters
Laurent Dubrule/Reuters

Felipe Massa ainda confia em permanecer na Ferrari

Piloto reforça que acredita no que a equipe diz, não no que ouve da imprensa

LIVIO ORICCHIO - Enviado especial, O Estado de S. Paulo

22 de agosto de 2013 | 15h37

SPA-FRANCORCHAMPS - Para quem está fora do ambiente da Fórmula 1, a enxurrada de candidatos à suposta vaga de Felipe Massa na Ferrari deve gerar reflexões como: "Não deve ser fácil para Massa ler e ouvir seu nome toda hora fora da equipe". Curiosamente para o piloto todos os boatos, alguns envolvendo nomes de campeões, como Kimi Raikkonen, não o preocupam e tampouco geram desgaste.

"Entram por aqui e saem por aqui", respondeu Massa, apontando para os dois ouvidos, nesta quinta-feira, no circuito de Spa-Francorchamps, onde amanhã começam os treinos livres do GP da Bélgica. "Dou atenção, sim, ao que o pessoal da minha equipe me diz. E o que sei é que se realizar o que deveria ter feito e pelas mais diferentes razões não fiz, tenho boas chances de permanecer aqui."

O diretor da escuderia, Stefano Domenicali, respondeu com exclusividade ao Estado, nesta quinta-feira, se a Ferrari ainda pensa em renovar o contrato caso nas próximas duas ou três etapas, incluindo a corrida, domingo, Massa demonstrar que retomou o ritmo e constância da segunda metade do campeonato do ano passado e o início deste: "Absolutamente sim".

BOLA DA VEZ

A respeito dos rumores de que Raikkonen será o companheiro de Alonso em 2014, Domenicali comentou: "Agora é a vez dele. Já foi a de Nico Hulkenberg (Sauber), de Paul Di Resta (Force India), dentre tantos e tantos". Disse mais: "Sem desejar ser repetitivo, mas digo que não será agora que vamos parar e decidir quem será o parceiro de Fernando no ano que vem. Estamos tranquilos, nossas prioridades são outras". Alonso não se esquivou de comentar sobre compartilhar a Ferrari com Raikkonen. Foi questionado em várias línguas. "Não vejo porquê. Em 2008 e 2009 Felipe foi melhor que ele." O finlandês e Massa trabalharam juntos nas temporadas de 2007 a 2009.

No paddock de Spa as opiniões se dividem. Há quem acredite que Luca di Montezemolo, presidente da Ferrari, não seria louco de contratar Raikkonen tendo já Alonso na organização. A guerra seria explícita. E existem os que pensam que o negócio não só é possível como estaria até adiantado, apesar de o empresário de Raikkonen ter declarado que "a Lotus tem a chave para renovar com Kimi, basta oferecer garantias técnicas e financeiras".

Massa confirmou saber o que a Ferrari lhe exige no GP da Bélgica, em seguida no da Itália, a sequência do calendário. "Resultado, é o que funciona na Fórmula 1. E lógico que essas corridas são hoje importantes, é mentira?" Apesar de confiante na renovação com a Ferrari, não escondeu que seu empresário, Nicolas Todt, tem se movimentado no paddock. "É bom para ter uma ideia do que existe com relação ao futuro. Não estou preparado para parar de correr. Quero continuar na Fórmula 1. Se não for na Ferrari é lógico que vou avaliar as opções. E teria de ser um bom time. Caso contrário prefiro ir para outra categoria", falou Massa.

A exemplo das demais escuderias a Ferrari tem vários componentes novos no modelo 138 que amanhã irá para a pista a partir da 5 horas de Brasília, nos primeiros treinos da 11.ª etapa do Mundial. "Tomara que nosso carro se comporte bem aqui. Eu sempre andei bem em Spa, circuito que adoro. Ainda que a Eau Rouge (famosa curva em declive e depois aclive) hoje não é mais curva, por a percorrermos de pé em baixo."

A menor potência dos motores, V-8 em vez dos V-10, somada a melhora da aerodinâmica e as novas gerações de pneus conferem maior aderência aos carros, daí a Eau Rouge ser transposta em sétima marcha, a cerca de 260 km/h, sem maiores exigências aos pilotos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.