Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Felipe Massa retorna à Stock Car com prova em cidade onde estreou

Corrida do Milhão, em Goiânia, faz experiente piloto relembrar início no automobilismo e projetar futuro como dirigente

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

04 Agosto 2018 | 17h00

Felipe Massa celebra neste domingo, em Goiânia, um duplo retorno às origens. Além de voltar a participar da Stock Car, com a presença na Corrida do Milhão, com largada às 11h (a TV Globo transmitirá a corrida), o experiente piloto de 37 anos revê à pista onde fez a primeira prova da carreira, há 21 anos.

+ Leia as últimas notícias de esportes

+ Ricciardo correrá na Renault na temporada 2019

O então garoto de 16 anos teve em 1997 a chance de experimentar pela primeira vez um carro de corrida depois de anos no kart. A oportunidade veio na Fórmula Chevrolet e graças à ajuda inesperada da família de um amigo, que bancou a presença de Massa na prova.

"A mãe do meu amigo fez um cheque e me ajudou a fazer essa corrida. Sempre lembro disso porque a gente sempre tem de lembrar de onde as coisas começaram", afirmou Massa ao Estado. A emoção da estreia em um autódromo lotado está viva na memória dele, apesar de o resultado ter sido ruim: um problema no carro o impediu de terminar a corrida. "Tenho o maior carinho por Goiânia", disse.

Depois de 16 anos na Fórmula 1, o piloto vai disputar pela segunda vez uma prova da Stock Car. A primeira foi em março, na Corrida de Duplas, em Interlagos, quando foi convidado por Cacá Bueno e tomou gosto pela categoria brasileira. "Acabei não curtindo a corrida toda naquela vez, porque, quando entrei, a gente teve um problema no motor do carro. Não curti do jeito que poderia. Quem sabe até poderia brigar pelo pódio", explicou.

A oportunidade de voltar para a Stock Car foi tentadora, especialmente por ser em Goiânia. Massa está otimista para a nova corrida, pois está mais adaptado ao carro e motivado pela premiação de R$ 1 milhão a ser entregue ao vencedor. Quem ganhar também levará para casa um anel de ouro 18 quilates, com 117 pedras de zircônia cravejadas.

A prova terá 40 minutos de duração e será disputada em um traçado novo para os pilotos. A organização montou uma pista oval no anel externo do circuito. A mudança vai propiciar aos carros andarem mais próximos e favorecerá ultrapassagens.

O equilíbrio da disputa e a nova presença na Stock Car fazem Massa pensar em outras participações futuras. "Já estou aqui pela segunda vez. Posso estar pela terceira, quarta... Até o campeonato posso disputar."

Massa concilia o compromisso em Goiânia com os testes na Fórmula E. O piloto vai disputar a categoria de carros elétricos na temporada 2018-19, com início em dezembro, e nos últimos meses começou a trabalhar no novo desafio. 

"É completamente diferente. Os carros são diferentes, não têm quase nada de carga aerodinâmica, andamos com pneu de rua. É um carro elétrico, com bateria. Não conheço nenhuma das pistas. Eu tenho muito a aprender", afirmou.

A própria Fórmula E também passa por uma grande mudança, ao implantar agora a segunda geração dos carros. Mais potentes, os veículos agora têm uma bateria com a capacidade para durar toda a prova.

Na nova categoria o piloto vai encontrar antigos colegas de Fórmula 1. A chefe dele na equipe Venturi será a escocesa Susie Wolff, de quem foi companheiro na Williams. Ela era piloto de testes da escuderia enquanto o brasileiro era titular.

Outro desafio de Massa neste primeiro ano pós-Fórmula 1 é nos bastidores. O piloto se tornou presidente da Comissão Internacional de Kart da FIA e, na última semana, participou de encontro com o presidente Michel Temer sobre campanhas de segurança no trânsito. 

"É um trabalho (como dirigente) que eu vejo como forma de devolver. Tive muito mais do que imaginava na minha carreira. Tem muito a ser feito para melhorar o kart", comentou o piloto.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.