Reuters
Reuters

Felipe Nasr volta às pistas para disputar campeonato nos EUA

Brasileiro se desligou da Fórmula 1 no fim do ano passado e está fora das competições longas desde então

Estadão Conteúdo

28 de setembro de 2017 | 17h23

Longe do automobilismo desde o fim do ano passado, Felipe Nasr voltará a disputar um campeonato em 2018. Nesta quinta-feira, o ex-piloto da Sauber vai competir na SportsCar, categoria de corridas de longa duração com base nos Estados Unidos. Ele assinou contrato com a equipe Action Express.

+ Fora da Fórmula 1, Nasr recusa outras categorias pelo sonho do retorno

"Estou realmente muito contente de voltar às pistas de forma permanente no ano que vem. Nenhum piloto gosta de ficar parado, mas precisa saber esperar. Eu já corri pela Action Express em 2013 nas 24 Horas de Daytona e sempre mantive contato com eles. É uma equipe espetacular e temos chance concreta de lutar pelo Campeonato em 2018", disse Nasr.

Com a decisão de competir nos EUA, o brasileiro praticamente desistiu de fazer seu retorno à Fórmula 1. Ele disputou a principal categoria do automobilismo mundial entre 2015 e 2016 pela Sauber. No primeiro ano, se destacou, inclusive com a melhor estreia de um brasileiro na F-1, com o quinto lugar na Austrália. Terminou o ano na frente do companheiro de equipe.

Porém, na sua segunda temporada como titular, ele ficou atrás do então parceiro, o sueco Marcus Ericsson, caiu de rendimento e ainda perdeu o principal patrocinador no fim do ano. Mesmo somando os pontos preciosos (no GP do Brasil) que evitaram que a Sauber terminasse o campeonato na última colocação, ele foi preterido pelo alemão Pascal Wehrlein.

Nos últimos meses, Nasr ainda mantinha as esperanças de voltar à F-1 no ano que vem, ainda que fosse como piloto reserva. Mas as negociações não avançaram. No começo deste mês, ele participou de uma prova da Porsche Endurance Series ao lado do experiente Ingo Hoffmann.

"Não diria que as portas da F-1 estão fechadas, mas ainda são muitos os fatores que precisam ser acertados antes de pensar em uma volta para lá. Nem mesmo o momento econômico no Brasil é positivo enquanto a F-1 ainda está em busca de definir o seu futuro a médio prazo. Por sua vez a IMSA foi o Campeonato que mais cresceu, tanto é que em 2018 esperam mais 15 protótipos participando e não descartam ter que recusar inscrições tamanha é a procura pelas provas longas", afirmou o brasileiro.

Na SportsCar, ele terá a companhia do norte-americano Eric Curran na mesma equipe. O time ainda terá o inglês Mike Conway, ex-Fórmula Indy, em etapas específicas do campeonato. "Tive a oportunidade de treinar com o carro recentemente e é realmente espetacular, impressionante a evolução desde que guiei em Daytona há 5 anos, o chassis Dallara é surpreendente e o jeito de guiar ficou muito mais parecido com o de um carro de Fórmula", comentou Nasr.

Tudo o que sabemos sobre:
VelocidadeAutomobilismoFelipe Nasr

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.