Charles Coates/AFP
Charles Coates/AFP

Feliz com pole nos EUA, Hamilton diz que não há margem de erro com a Ferrari

'As diferenças são mínimas', analisou o piloto britânico da Mercedes

Estadão Conteúdo

20 Outubro 2018 | 22h10

O inglês Lewis Hamilton era só alegria após conquistar a pole para o GP dos Estados Unidos, neste sábado, o que deixa muito mais perto de conquistar o penta campeonato mundial de Fórmula 1 na carreira, mas sabe que terá muitas dificuldades para conseguir este feito na corrida deste domingo no Circuito das Américas, em Austin, no estado do Texas. Tudo por causa da força da Ferrari, de acordo com o piloto da Mercedes.

"As diferenças são mínimas. Não há margem de erro", disse o líder da temporada. "A equipe está trabalhando bem neste fim de semana e teremos que fazer o mesmo esforço na corrida", avaliou o britânico, diante do bom desempenho da Ferrari, mesmo com o alemão Sebastian Vettel, seu perseguidor na tabela de classificação do Mundial de Pilotos, ter de largar em quinto lugar por causa de uma punição.

Neste sábado, Hamilton cravou 1min32s237 para ficar com a pole. O inglês bateu Vettel por 0s061 e ficou 0s07 na frente do finlandês Kimi Raikkonen, que efetivamente largará em segundo lugar no grid. "Foi por pouco! A primeira volta que dei no Q3 foi decente, a segunda só um pouquinho melhor, mas foi suficiente. Estou bem feliz com isso", disse.

Hamilton explicou que já esperava uma disputa dura contra Vettel e ficou feliz por ter conseguido cumprir exatamente o que estava precisando. "Foi bem importante. Eu sabia que ia ser bem justo hoje (sábado) entre nós dois. E estava consciente também de que minha melhor volta precisava ser a segunda. Então estou feliz com o que tive", completou.

Com 67 pontos de vantagem na liderança (331 a 264) e só mais quatro etapas para o término da temporada, Hamilton tem várias combinações de resultado para deixar o Circuito das Américas já com o penta garantido matematicamente. Uma delas é vencer e Vettel chegar no máximo na terceira colocação.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.