Fernando Alonso comemora vitória, mas evita projetar campeonato

O espanhol comemorou o fim do jejum de 12 etapas sem triunfos e exaltou o bom desempenho de sua Ferrari

AE, Agência Estado

14 de abril de 2013 | 11h37

XANGAI - Fernando Alonso não escondeu o alívio pela vitória no GP da China, neste domingo. O espanhol comemorou o fim do jejum de 12 etapas sem triunfos, exaltou o bom desempenho de sua Ferrari em Xangai, mas foi cauteloso quanto ao futuro do Mundial de Fórmula 1.

"Esta vitória vem em ótima hora. Estávamos sob pressão, pois abandonamos a última corrida [Malásia]. Em três etapas fomos segundo em Melbourne e ganhamos aqui. É um início de temporada positivo. Vamos levar para Bahrein, já no próximo fim de semana, esse mesma gana de vencer, onde também acho que será possível chegar na frente", declarou o espanhol.

Alonso não subia ao lugar mais alto do pódio desde o GP da Alemanha, em julho de 2012. Desde então, viu um domínio de Sebastian Vettel e vitórias pontuais da McLaren e da Lotus. "Vencer depois de oito ou nove corridas me deixou muito feliz", declarou o piloto da Ferrari, que não vencia há 12 etapas.

"O carro esteve quase perfeito desde o início e foi importante ter ultrapassado Kimi [Raikkonen] logo na largada e Lewis [Hamilton] antes do primeiro pit stop", analisou. "Com os pneus médios nossa degradação foi menor que a de nossos adversários. Pude manter ótimo ritmo e ainda tinha uma reserva se fosse preciso".

Com o resultado, o espanhol entrou na briga pela liderança do campeonato. Subiu para o terceiro lugar e está a apenas nove pontos do líder Vettel. Alonso, no entanto, evita fazer projeções sobre os candidatos ao título. "Acho que é muito cedo para dizer, talvez somente depois do recesso de verão. Espero fazer parte deste grupo", disse, referindo-se à pausa de um mês no campeonato, entre os fins de julho e agosto.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1GP da ChinaAlonsoVelocidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.