Stefano Rellandini/Reuters - 11/9/2010
Stefano Rellandini/Reuters - 11/9/2010

Fernando Alonso confessa que temeu pela vida de Robert Kubica

No entanto, espanhol diz que agora sabe que o polonês está se recuperando bem

Efe

17 de fevereiro de 2011 | 14h59

MADRI - Fernando Alonso, piloto espanhol da Ferrari, chegou a temer que seu amigo, o polonês Robert Kubica, não sobrevivesse ao acidente sofrido em 6 de fevereiro, quando participava de um rali na localidade italiana de San Lorenzo, embora agora esteja convencido de que ele se recupera bem.

Alonso recebeu "com surpresa e comoção" a notícia do acidente de Kubica, conhecido dele há 15 anos e contra quem competiu no kart antes de chegar à Fórmula 1.

"Não estava claro que fosse sobreviver. Fui ao hospital para saber exatamente a gravidade das lesões, mas agora vejo que está se recuperando bem e espero vê-lo em breve outra vez na Fórmula 1", declarou o piloto espanhol à CNN.

Ao contrário dos que criticam Kubica por não ter preservado sua segurança, Alonso apoia a decisão do polonês de participar de um rali, inclusive, às vésperas do início do campeonato mundial em 13 de março no Bahrein.

"Precisamos ter oportunidades de gastar adrenalina do corpo e os ralis são um bom treino para pilotos de Fórmula 1. Eu treino de bicicleta sempre. Há duas semanas, seguia com um amigo e um caminhão sofreu um acidente na nossa frente. Se o acidente tivesse ocorrido alguns metros antes nós teríamos sido atingidos. Nem sempre é possível evitar os riscos", justificou.

Kubica, piloto oficial da Lotus Renault, não vai correr o Mundial devido aos ferimentos sofridos no acidente, que o obrigaram a passar várias vezes pela sala de cirurgia no hospital de Pietra Ligure. Seu posto, até que se recupere, será ocupado pelo alemão Nick Heidfeld, que já foi seu companheiro durante três anos na equipe Sauber.

Veja também:

linkRobert Kubica se recupera bem após terceira cirurgia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.