Andrew Brownbill/AP
Andrew Brownbill/AP

Fernando Alonso ressalta equilíbrio e descarta surpresas na Fórmula 1

Espanhol da Ferrari disse ser difícil apontar qual equipe é favorita para o GP da Austrália

Agência Estado,

14 de março de 2013 | 10h46

MELBOURNE - O espanhol Fernando Alonso afirmou nesta quinta-feira ser difícil apontar uma equipe favorita para o GP da Austrália, que abrirá neste domingo a temporada 2013 da Fórmula 1, no circuito de Melbourne. Porém, avaliou que as Ferrari, Lotus, McLaren, Mercedes e Red Bull estão à frente das demais concorrentes. Assim, para ele, as vitórias e a luta pelos títulos se concentrarão nesse grupo de escuderias.

"Eu acho difícil saber. Ninguém sabe quem pode vencer esta corrida neste momento. Temos que esperar e ver as respostas para algumas perguntas que os testes de inverno não deram", disse, avaliando que a Fórmula 1 não terá tantos vencedores diferentes no início da temporada como aconteceu em 2012. "Talvez não seja como no ano passado, quando vimos sete vencedores diferentes nas sete primeiras corridas", completou.

"Neste ano, com a manutenção das regras, espero que as cinco melhores equipes tenham uma pequena vantagem e não tenhamos muitas surpresas nas primeiras corridas. Mas a partir destas cinco melhores equipes, eu acho que é muito difícil ver realmente após os testes de inverno quem tem dois ou três décimos que podem fazer você ganhar. No momento, eu acho que está muito apertado e muito difícil de escolher um favorito", concluiu.

Confiante no desempenho do F138, carro da Ferrari para a temporada 2013 da Fórmula 1, Alonso espera um começo melhor de campeonato do que o de 2012. "Eu acho que não é difícil começar melhor do que no ano passado, o difícil seria começar pior. Estávamos atrás demais (em 2012) e o inverno foi muito melhor do que o do ano passado, entendemos o carro, trabalhamos com o carro e conseguimos os resultados que mais ou menos esperam. Isso nos dá muito mais confiança e otimismo para começar a temporada", disse.

Campeão mundial em 2005 e 2006, Alonso foi vice em 2010 e 2012, mas garante que o jejum de títulos e o fato de ter ficado tao perto da conquista nos últimos anos não o incomoda. "Eu me sinto privilegiado de lutar pelo campeonato mundial duas vezes nos últimos três anos", disse, ressaltando que está consolidado como um dos principais nomes da Fórmula 1.

"Muitas pessoas não têm a oportunidade de estar no pódio e desfrutar a cerimônia do pódio na Fórmula 1 e ainda menos pessoas têm a oportunidade de vencer corridas e muito poucas pessoas têm a oportunidade de lutar por um título mundial. Então eu me sinto feliz e privilegiado por ter essas oportunidades. Claro, nós perdemos duas vezes nos últimos três anos na última corrida e nós queremos ter novamente a possibilidade de, mais uma vez, lutar pelo campeonato mundial, espero que neste ano, e espero que este ano possa mudar o resultado final", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.