Albert Gea/Reuters
Albert Gea/Reuters

Fernando Alonso volta 20 anos na sua memória após acidente

Piloto espanhol teria regredido aos seus tempos de kart em 1995

O Estado de S. Paulo

05 Março 2015 | 11h47

Fernando Alonso teria regredido 20 anos na sua memória com o acidente que sofreu no circuito de Montmeló, Barcelona, no cockpit da McLaren, nos teste de pré-temporada da Fórmula 1, dia 22 de fevereiro. O espanhol, segundo o jornal AS, teria voltado aos seus tempos de piloto de kart em 1995.

De acordo com relatos de testemunhas, Alonso surpreendeu aos médicos ao responder perguntas clássicas tão logo recupera os sentidos a uma comoção por impacto. 

Quem é você? O que você faz? O que quer para o seu futuro? Foram as perguntas dirigidas a Alonso. “Sou Fernando, corro em karts e quero ser piloto de Fórmula 1”, teria dito o espanhol aos médicos que o atenderam logo após ele estatelar sua McLaren em um muro do circuito de Montmeló.

As respostas bizarras do piloto, por mais cômicas que tenham sido, provocaram uma grande interrogação aos que atenderam Alonso na pista, sempre de acordo com o AS. A preocupação só diminuiu após as constantes baterias de exames a que se submeteu na duas semanas seguintes.

Diante dos relatórios dos médicos com base nos exames, mesmo recuperado, a McLaren tirou Fernando Alonso da corrida de estreia da F1, dia 15, na Austrália.

Rafael Blesa diretor do serviço de neurologia do Hospital de Sant Pau, de Barcelona, disse que a decisão da escuderia pode ter sido equivocada. 

“Que a equipe se ampare nesta hipóteses para justificar que este rapaz não corra o fim de semana que vem não tem  nenhum sentido neste caso concreto. Basicamente porque, segundo afirmam, em todos os exames que foram realizados ele se saiu bem e demonstraram que não tem nenhuma  lesão. Nesse caso, o cérebro está intacto, exatamente igual que antes do acidente. En nenhum caso essa primeira sacudida teria incidência no caso de que se produza uma segunda batida”, disse Blesa ao jornal espanhol.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.