Arquivo/AE
Arquivo/AE

Ferrari adota cautela com resultado de testes na Espanha

Fernando Alonso e Felipe Massa foram os mais rápidos nos três dias no Ricardo Tormo, em Valência

AE, Agencia Estado

04 de fevereiro de 2010 | 15h56

O desempenho da Ferrari nas primeiras sessões de testes coletivos da Fórmula 1, realizados nesta semana em Valência, foram minimizados por Stefano Domenicali, chefe da equipe. A equipe dominou os três dias de treinos, registrando os melhores tempos com o espanhol Fernando Alonso e o brasileiro Felipe Massa.

"Sabemos muito bem que os tempos dos testes, especialmente neste ano, devem ser analisados com cuidado", afirmou Domenicali, preferindo ser cauteloso para analisar o desempenho da escuderia italiana, apesar de Alonso e Massa terem sido os únicos pilotos a andar abaixo de 1min12 em Valência.

O chefe da equipe Ferrari, porém, comemorou a confiabilidade do carro e acredita que devem ocorrer poucas quebras em 2010. "Se há uma coisa que estamos realmente satisfeitos é a confiabilidade que o carro tem mostrado. Mais de 1.400 quilômetros percorridos é um começo muito bom e temos de garantir que o trabalho intenso nos testes e em simulações durante as semanas antes da estreia dê frutos", disse.

Domenicali acredita que os testes ajudaram a Ferrari a começar a analisar o desempenho do carro com o tanque cheio. "Em Valência, também começamos a conhecer o comportamento dos pneus Bridgestone relacionados com a carga de gasolina. Mas os dados ainda são absolutamente relativos: esta pista não é particularmente exigente com os pneus e as temperaturas não foram próximas às que encontraremos, por exemplo, durante a temporada nas três primeiras corridas", analisou.

O chefe da Ferrari aproveitou para elogiar o trabalho de Alonso e Massa nos três dias de testes em Valência. "Ambos estavam muito felizes com a forma como as coisas aconteceram. Especialmente quanto a confiabilidade do carro. Ambos estão extremamente motivados", comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
fórmula 1FerrariStefano Domenicali

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.