Ferrari apresenta o carro para 2004

Pode ser que até a abertura do Mundial, dia 7 de março na Austrália, a Ferrari venha a introduzir importantes modificações no modelo F2004 apresentado hoje em Maranello. Mas que a equipe italiana, campeã das cinco últimas temporadas, desta vez abusou do conservadorismo não há como negar, ao contrário da política de suas duas principais adversárias, McLaren e Williams, que ousaram em seus novos projetos. Michael Schumacher admitiu, hoje: "Será mais difícil conquistarmos o título." As semelhanças entre o F2004 e a Ferrari do ano passado, F2003-GA, são imensas. Ao menos hoje. E não se pode acreditar que será muito diferente ao longo do ano porque na Fórmula 1 todas as soluções são estudadas em conjunto. Uma aerofólio dianteiro radical, como chegou a anunciar Jean Todt, o diretor-esportivo, implicaria alterações no restante do projeto aerodinâmico também. E isso não se faz de hora para outra. Rubens Barrichello comentou quando lhe perguntaram como explicar a manutenção da mesma receita técnica: "A Williams tinha de arriscar por isso foi radical." Schumacher rebateu as críticas embutidas nas perguntas: "O nosso modelo de 2003 venceu o Mundial de Pilotos e de Construtores, portanto não é ruim assim." Rory Byrne, projetista do F2004, confirmou que sua preocupação foi desenvolver as soluções usadas na concepção do F2003-GA e não partir para algo novo. Mas lembrou que várias novas técnicas construtivas foram adotadas, como no motor, câmbio e monocoque, que os deixaram mais leves e resistentes. O F2004 é o 50.º carro da Ferrari na Fórmula 1. Se havia dúvidas sobre a eventual motivação de Schumacher em disputar o campeonato, depois de seis títulos mundiais, os quatro últimos seguidos, a possível necessidade de trabalhar muito no desenvolvimento do F2004 deverá lhe servir de estímulo máximo. O F2004 irá para a pistas, em Fiorano, pela primeira vez, nos próximos dias. Sabe-se já, pelos testes realizados em Jerez de la Frontera, Barcelona e Valência, que os novos modelos de McLaren e Williams evoluíram significativamente em relação aos de 2003. O F2004, apesar de pouco diferente do F2003-GA, terá de ser de três a quatro décimos de segundo mais rápido para acompanhar o avanço, ao menos aparente, dos carros de Kimi Raikkonen e Juan Pablo Montoya. Caso contrário, apenas o talento excepcional de Schumacher não deverá ser suficiente para lhe permitir nova conquista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.