Ferrari cobra mais empenho da Bridgestone

O diretor esportivo da Ferrari, o francês Jean Todt, bem que tentou defender a Bridgestone. Ele considera "injusto? responsabilizar unicamente a fabricante de pneus pela queda de rendimento da equipe nas últimas etapas do Mundial de Fórmula 1. No entanto, o próprio Todt cobrou mais empenho dos japoneses. Quer que, a partir de agora, a Bridgestone realize o desenvolvimento de seus pneus preocupando-se apenas com a Ferrari. O dirigente justifica: o único time grande da F-1 que os japoneses têm como cliente é a escuderia italiana. "A outra fornecedora tem mais pontos de referência?, disse Todt, numa alusão ao fato de a Michelin trabalhar com a Williams e a McLaren, além da Renault, a atual quarta força da categoria. Mesmo assim, o francês não esquece que a parceria com a Bridgestone já rendeu muitos "frutos" à Ferrari. "Devemos lembrar que já vencemos várias corridas graças à Bridgestone. Por isso, precisamos analisar a situação de forma mais ampla.? Mas o fato é que o presidente da Ferrari, Luca di Montezemolo, já deixou claro a todos os dirigentes do time que não admite que se repita o fracasso verificado no GP da Hungria - Michael Schumacher foi apenas oitavo e Rubens Barrichello sequer completou por conta de uma falha incomum na F-1, a quebra do triângulo superior da suspensão traseira esquerda, o que fez com que a roda se soltasse. Até porque a próxima prova é em Monza. Michael Schumacher garante que irá fazer a sua parte. "Fiquei decepcionado com o nosso rendimento na Hungria, mas quero dizer que estou confiante. Acredito na nossa capacidade e sinto que todos no time estão motivados. Iremos trabalhar forte nas corridas finais. Nunca desisti de uma luta?, disse o alemão, que ainda lidera o Mundial. Ele tem 72 pontos, contra 71 de Juan Pablo Montoya, o colombiano da Williams, e 70 de Kimi Raikkonen, o finlandês da McLaren. Depois do GP da Itália, a temporada será encerrada com os GPs dos Estados Unidos, em Indianápolis, e do Japão, em Suzuka. Para as crianças - Montoya, Barrichello, o espanhol Fernando Alonso (Renault) e o brasileiro Cristiano da Matta (Toyota) deverão participar de uma competição de kart em Cartagena, Colômbia, dia 15 de novembro. O evento faz parte do lançamento da fundação "Fórmula Sorriso?, criada por Montoya com o objetivo de ajudar crianças carentes colombianas, por meio do desenvolvimento de projetos esportivos em escolas públicas. O brasileiro Antonio Pizzonia e os espanhóis Marc Gené (piloto de testes da Williams) e Pedro de la Rosa (piloto de testes da McLaren) também estarão na pista, assim como quatro pilotos da F-Cart: o americano Jimmy Vasser, o canadense Paul Tracy, o mexicano Adrian Fernandez e o espanhol Oriol Sérvia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.