Ferrari confirma pane seca em Rubinho

O que dizer de uma pessoa que não coloca gasolina suficiente para seu carro? Foi exatamente o erro que a Ferrari cometeu - um vexame até para motoristas iniciantes - que impediu Rubens Barrichello de comemorar sua primeira vitória no Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1. Segundo informações do assessor de imprensa da equipe, Luca Colajanni, não foi possível constatar o problema com antecedência porque a telemetria do carro do brasileiro falhou voltas após a largada e a equipe está avaliando se houve algum problema na composição do combustível. Aparentemente, não havia porque temer problemas de falta de gasolina. Rubinho fez seu primeiro pit stop na volta 19, gastou 36s631e parou 28 voltas depois com pane seca. David Couthard, da McLaren, parou exatamente na mesma volta 19 e ficou 33s545 segundos nos boxes. Seu combustível durou mais 33 voltas, já que fez sua parada na volta 52. Apesar da telemetria não estar funcionando no carro de Barrichello, o sistema de abastecimento é controlado por computador no qual a pessoa programa o número de litros que deverão ser despejados no tanque. O anúncio da pane seca foi feito pela equipe depois que o brasileiro deixou o Autódromo de Interlagos, aplaudido pelas poucas pessoas que trabalhavam no local no final da tarde. Foi um reconhecimento pelo desempenho do piloto, que esteve perfeito tanto no treino de classificação como durante todo o período em que esteve na pista. Rubinho saiu afirmando não saber porque seu carro havia falhado e o qual, segundo ele, sequer havia dado pista de problemas nas voltas anteriores. Raiva - Nem choro, nem lamentações, nem desespero. Raiva, declarada em uma fisonomia de aparente serenidade e resignação, foi o sentimento de Rubinho após perder um GP do Brasil onde nunca suas chances de vencer foram tão boas. "Não estava tão bem nas primeiras voltas porque o carro estava com um acerto para pista mais seca, mas depois começou a render", explicou o brasileiro. "Tudo estava perfeito e o que sinto neste momento é raiva." Uma coisa que particularmente chateou o piloto é o fato de completar seu nono GP do Brasil consecutivo sem completar a prova, três na Ferrari. "O chato é que esta história de tabu, tabu, vai continuar no ano que vem", lamentou Rubinho, que considerou seu desempenho na corrida perfeito. "Fiz tudo certo, dei o meu melhor. Tudo o que posso dizer sobre o que aconteceu é que estou frustradíssimo porque não corri somente por mim, mas por uma nação."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.