Manu Fernandez/AP
Manu Fernandez/AP

Ferrari descobre falha mecânica no carro de Fernando Alonso

Problema no carro tirou o espanhol da briga pela vitória com o alemão Sebastian Vettel no Bahrein

AE, Agência Estado

24 de abril de 2013 | 08h22

MARANELLO - A Ferrari revelou nesta quarta-feira ter descoberto o problema que atrapalhou a performance de Fernando Alonso no GP do Bahrein, quarta etapa da temporada da Fórmula 1, disputado no último domingo. A equipe italiana explicou que houve uma inédita falha mecânica no sistema de asa móvel do carro do piloto espanhol - descartando causa hidráulica ou eletrônica - e garantiu não ser algo preocupante.

Alonso estava em segundo lugar no GP do Bahrein e esperava brigar pela vitória com o alemão Sebastian Vettel (Red Bull) quando seu carro apresentou o problema. Ao acionar a asa móvel, ela travou e ficou aberta. Nos boxes, os mecânicos conseguiram fechá-la manualmente. Mas, ao retornar à pista, a falha mecânica voltou a acontecer. O espanhol, então, fez novo pit stop e não pôde mais utilizar o sistema.

Com tudo isso, Alonso acabou terminando a corrida apenas em oitavo lugar. Assim, ficou mais distante da liderança do campeonato: o primeiro colocado Vettel está com 77 pontos, contra 47 do espanhol, que aparece na quarta posição. Ainda no domingo, o chefe da equipe Ferrari, Stefano Domenicali, lamentou o problema da asa móvel, ressaltando que seu piloto poderia ter lutado pela vitória no Bahrein.

A Ferrari não especificou qual foi o problema mecânico no carro de Alonso, mas contou que foi a primeira vez que algo desse tipo aconteceu desde que a asa móvel começou a ser utilizada há três anos. "A falha não é algo que cause preocupação para o futuro", diz o comunicado da equipe italiana. A próxima etapa da Fórmula 1 será no dia 12 de maio, com a disputa do GP da Espanha, em Barcelona.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1FerrariAlonso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.