Ferrari desiste de combater pirataria

A Ferrari desistiu de combater a pirataria de produtos da marca no Brasil. A escuderia italiana chegou à conclusão de que o exército de camelôs que fatura alto com a venda de bonés, camisetas, bandeiras e outros artigos falsificados, principalmente na semana do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1, é mais forte que seus advogados.No ano passado, o diretor comercial da Ferrari Idea - empresa suíça que detém os direitos de comercialização dos produtos do cavalinho rampante - ficou estarrecido com a desenvoltura com que os ambulantes exibiam produtos da marca nas proximidades do Autódromo de Interlagos. Vermelho de raiva, o italiano Andrea Agnelli prometeu ir à Justiça para fechar as fábricas clandestinas. Um ano depois, Agnelli nem veio ao Brasil para acompanhar o GP. E os camelôs continuam com o mesmo apetite."Não vamos fazer nada porque a Ferrari Idea está sendo reestruturada", começa a explicar Cláudio Berro, porta-voz da escuderia italiana. Logo depois, com um sorriso irônico, confessa: "Não há como controlar a fabricação e a comercialização desses produtos no Brasil.""Vai aí, doutor?" - É difícil calcular o faturamento dos camelôs com produtos da grife italiana. Os ambulantes que atuam nas proximidades do autódromo, no entanto, não demonstram nenhum constrangimento com a situação. "Vai um boné aí, doutor?", pergunta o camelô Paulo Pereira dos Santos. Ele se recusa a falar a respeito da procedência da mercadoria. O preço do boné, na rua, é R$ 10,00. Em um dos seis estandes oficiais da marca, dentro do autódromo, o produto, original e de procedência italiana, custa R$ 50,00.O mesmo acontece com as camisas pólo, um dos objetos do desejo dos torcedores ferraristas. "A minha é oficial, pode olhar", afirma Santos, convicto. Custa R$ 40,00. No estande, de responsabilidade da Via Europa, importadora oficial da Ferrari no Brasil, a camiseta, de procedência italiana, custa R$ 110,00.Mas engana-se quem imagina que os preços salgados dos produtos oficiais espante os consumidores. "O movimento está bom. Só hoje, vendi mais de cem bonés", afirmou um vendedor da Ferrari Official Merchandise no final da tarde de sexta-feira. Detalhe: os bonés pretos, com o nome de Michael Schumacher gravado na lateral, estão esgotados. "Os de Barrichello também saem, mas bem menos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.