Victor R. Caivano/AP
Victor R. Caivano/AP

Ferrari desiste de protesto contra manobra de Vettel no GP do Brasil

Escuderia dá assunto por 'encerrado'; segundo a FIA, ultrapassagem feita no GP do Brasil 'não violou nenhuma regra'

AE, Agência Estado

30 de novembro de 2012 | 10h01

MARANELLO - A Ferrari anunciou nesta sexta-feira que desistiu do protesto contra a polêmica ultrapassagem de Sebastian Vettel no GP do Brasil de Fórmula 1, no domingo passado. Em nota oficial, a equipe afirmou que não tinha intenção de questionar o resultado da corrida, e por consequência, do campeonato e disse que o assunto está "encerrado".

"O pedido de esclarecimento sobre a ultrapassagem de Vettel cumpriu a necessidade de jogar luz sobre as circunstâncias da manobra, divulgada através da internet alguns dias após a corrida", registrou a escuderia italiana

A Ferrari explicou ainda que o pedido formal atendeu às solicitações de "dezenas de milhares de fãs de todas as partes do mundo". "A carta enviada à FIA não tinha por objetivo questionar a legalidade do resultado. Recebemos pedidos para que buscássemos mais informações sobre o incidente, que poderia jogar sombra sobre o campeonato diante dos entusiastas da Fórmula 1, e não apenas aos olhos dos fãs da Ferrari".

Diante da resposta negativa da FIA, em relação ao pedido de esclarecimento, a Ferrari afirmou que o assunto está "encerrado". "A Ferrari já obteve uma resposta da FIA nesta manhã e partir de agora considera o assunto encerrado", registrou a equipe, em nota oficial.

A resposta da FIA também foi tornada pública nesta sexta. "A Federação informa que respondeu à Ferrari, no mesmo espírito construtivo [demonstrado pela equipe], afirmando que a ultrapassagem não violou nenhuma regra e, portanto, não houve infração a ser investigada. Foi por isso que o caso não foi levado aos comissários da prova [durante a corrida]", explicou a entidade.

A polêmica teve início nesta semana quando o canal de televisão inglesa Sky Sports exibiu um vídeo, com imagens feitas pela câmera instalada no carro de Vettel, mostrando uma suposta ultrapassagem irregular sobre o francês Jean-Eric Vergne na volta 4 do GP do Brasil, no domingo.

Vettel teria passado pelo rival sob bandeira amarela, que impede trocas de posição. A manobra poderia custar uma punição ao alemão. Pelas regras, o piloto da Red Bull estaria sujeito a um acréscimo de 20 segundos em seu tempo final de corrida. Assim, pularia do sexto para o oitavo lugar, resultado que impediria seu tricampeonato e daria o título ao espanhol Fernando Alonso, da Ferrari.

A manobra, supostamente irregular, foi defendida pelos representantes da FIA e pelo detentor dos direitos da F1, Bernie Ecclestone, ainda na quinta-feira. Na avaliação deles, o episódio não deveria merecer maior atenção porque uma bandeira verde exibida logo após um sinal luminoso amarelo teria permitido a ultrapassagem de Vettel. A bandeira verde não foi flagrada no vídeo feito a partir da câmera do carro do alemão.

"Vettel fez tudo de maneira correta. Ele agiu logo após ver a bandeira verde, que estava 350 metros à frente da última placa luminosa amarela", justificou Charlie Whiting, diretor de corridas da F1 e delegado de segurança da FIA, em entrevista ao site da revista alemã Sport Bild. "Nunca tivemos dúvidas de que essa ultrapassagem foi legal".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.