Divulgação
Divulgação

Ferrari e Mercedes tentam se aproximar da McLaren após testes na França

A Force India, com Luiz Razia, também participa dos treinos de avaliação de jovens pilotos

Livio Oricchio, O Estado de S. Paulo

11 de setembro de 2012 | 17h07

NICE - A versão do modelo F2012 da Ferrari que o líder do campeonato, Fernando Alonso, vai utilizar no GP de Cingapura, próxima etapa da temporada, dia 23, começou a ser testada nesta terça-feira, pelo francês Jules Bianchi, no circuito de Magny-Cours. O carro tem modificações no conjunto aerodinâmico. O objetivo é reduzir a diferença de desempenho para a McLaren, de Lewis Hamilton, vice-líder, vencedora das três últimas corridas, Hungria, Bélgica e Itália.

Oficialmente o treino é para verificar melhor o potencial de jovens pilotos, mas diante da proibição de treinos particulares na Fórmula 1 as escuderias aproveitam a oportunidade rara para testar a eficiência de novos componentes.

Mas quem levou um modelo bastante modificado para o teste, até mesmo no conceito de gerar pressão aerodinâmica, o que implica rever o projeto como um todo, foi a Mercedes, com o inglês Sam Bird. Seus pilotos titulares, Michael Schumacher e Nico Rosberg, não disputam o título, como Alonso e Hamilton. A meta da Mercedes é aproximar a equipe dos que lutam pelas primeiras colocações e fugir do ataque da Sauber na competição pelo quinto lugar entre os construtores.

O baiano Luiz Razia, de 23 anos, segundo colocado da GP2 e com chances remotas de ser campeão nas duas últimas etapas, dias 22 e 23, em Cingapura, treinou com o carro da Force India. Foram 64 voltas, com 1min18s535 na mais rápida, segunda melhor dos três pilotos. “Utilizei o período da manhã para aprender o carro, saber usar os vários recursos”, explicou. “À tarde, mais confortável, pude exigir um pouco mais.” Jakob Andreasen, chefe dos engenheiros, elogiou a progressão de Razia no teste, o que o levou a treinar largadas, o uso do sistema de recuperação de energia (Kers), o flap móvel (DRS) e usar pneus macios novos.

“Meu objetivo profissional é chegar à Fórmula 1 no ano que vem, estamos trabalhando para isso”, disse Razia, ao Estado, na Bélgica. “A ideia é conseguir inserir no currículo o título da GP2 e reunir um grupo de investidores para o projeto dar certo.”

Bianchi completou 87 voltas no traçado francês de 4.411 metros com a Ferrari e na melhor passagem registrou 1min18s070, primeiro tempo. Bird com a nova versão do W03 da Mercedes deu 95 voltas, concluindo o programa de experiências do dia, e marcou 1min19s094, terceiro. Bird vai pilotar hoje de novo, enquanto o italiano Davide Rigon assume a Ferrari. Já na Force India quem pilota é o venezuelano Rodolfo Gonzales, da GP2.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.