Ferrari já sonha com a pole em Mônaco

Foi só o primeiro treino livre, mas Michael Schumacher deu hoje mostras de que, apesar do histórico de sucesso das equipes que correm com pneus Michelin em Mônaco, mais uma vez não será fácil vencê-lo. A Ferrari compete com Bridgestone. O alemão marcou o melhor tempo do dia, 1min14s741, e Rubens Barrichello, o terceiro, 1min15s141. Amanhã não há atividade de pista, apenas compromissos com os patrocinadores. A sessão que definirá o grid será disputada sábado. Schumacher e Rubinho elogiaram bastante os novos pneus desenvolvidos pelos japoneses para quebrar a série de duas pole positions e duas vitórias dos pilotos com pneus Michelin em Mônaco. "Os técnicos da Bridgestone compreenderam melhor as necessidades dos pneus aqui e nos deram um pneu ótimo", disse Rubinho. O alemão elogiou o comportamento do F2004: "Estamos realmente muito rápidos aqui, mas acho que nossos adversários não são só isso que vimos hoje." O primeiro concorrente da dupla da Ferrari, que ganhou com Schumacher as cinco etapas disputadas até agora, foi Jarno Trulli, da Renault, quarto, a 731 milésimos do líder do Mundial. "Completamos nosso programa de experimentos, sem nos preocupar em estabelecer o melhor tempo. Seremos velozes aqui, está claro." Trulli foi terceiro em Barcelona. Outro piloto apontado por Schumacher para desafiá-lo, domingo, nas 78 voltas da prova, é Jenson Button, da BAR, sexto hoje: "Anthony Davidson mostrou que nosso carro tem potencial nesta pista." O terceiro piloto da BAR, Davidson, marcou o segundo tempo, a 400 milésimos do melhor. Os outros dois brasileiros ficaram assim: Cristiano da Matta, Toyota, em 13.º, e Felipe Massa, Sauber, 17.º. Enquanto na pista parece mesmo ser possível que a dupla da Renault, Jenson Button e Juan Pablo Montoya, Williams, décimo hoje, possam surpreender a Ferrari, na parte de trás dos boxes as conversas visando a temporada de 2005 são já intensas. O caldeirão que mais está em ebulição é o da Williams. Há uma discussão aberta entre Ralf Schumacher e o diretor-técnico e sócio da equipe, Patrick Head. Ralf é acusado de má performance. O irmão de Schumacher abriu o jogo e disse que desde o acidente, num teste em Monza, ano passado, por quebra da suspensão da Williams, não é mais o mesmo. Desde então, tudo o que somou foram apenas 12 pontos, enquanto Montoya conseguiu no mesmo período, 21. Hoje Ralf teve um motor quebrado. Já perdeu dez posições no grid por causa da sua substituição. Há rumores de que Ralf pode nem mesmo concluir a temporada pela Williams. Está em negociação com a Toyota e seu empresário, Willi Weber, tenta convencer David Richards, da BAR, que ele pode ser um bom companheiro para Button em 2005. Head confirmou hoje estar em contato com Jacques Villeneuve. O canadense, campeão pela Williams em 1997, fará um teste com o modelo FW26 provavelmente depois do GP da Europa, o seguinte ao de Mônaco. A outra vaga na Williams está bem encaminhada para Mark Webber. O time do australiano, hoje, deu um show no treino livre. Na terceira volta da sessão da manhã, o Jaguar de Webber pegou fogo depois de um problema de vazamento de óleo no motor. Resultado: também já perdeu dez posições no grid pela sua troca. Os outros dois pilotos, Christian Klein e Bjorn Wirdheim, bateram. A escuderia quase não treinou. A Jaguar tem pintado em seu carro o nome do filme Oceans Twelve. E sábado terá como convidados no glamoroso circuito ninguém menos dos atores George Clooney, Brad Pitt, Jeniffer Aniston e Matt Damon. O jovem inglês Anthony Davidson pode também ser uma opção para a Williams, lembrou Head, além de Antonio Pizzonia, piloto de testes. O mercado de pilotos tende a se agitar bastante daqui para a frente. A começar por esta sexta-feira, quando haverá treinos e a possibilidade de estarem reunidos com os chefes de equipe facilita as negociações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.