Greg Baker/AFP
Greg Baker/AFP

Ferrari leva pequenas evoluções para a França, mas prevê corrida complicada

Em 2019, a Ferrari foi a equipe mais rápida nos testes da pré-temporada, mas não tem conseguido repetir esse desempenho no campeonato

Redação, Estadão Conteúdo

18 de junho de 2019 | 12h50

Após ficar muito próxima de conquistar a sua primeira vitória em 2019 no GP do Canadá, a Ferrari espera voltar a ser competitiva e brigar pelo triunfo no GP da França, marcado para o próximo domingo. Com essa intenção, a equipe levará algumas novidades para o seu carro no circuito de Paul Ricard. E espera que eles façam a diferença na pista francesa e também na sequência do campeonato.

"Depois do Canadá, queremos definitivamente voltar à pista e competir com nossos rivais mais uma vez. Na França, teremos algumas pequenas evoluções, elementos que representam para nós um passo útil na definição da direção que tomaremos no desenvolvimento do carro", afirmou Mattia Binotto, o chefe da equipe Ferrari. "O que estaremos trazendo não será a solução para nossos problemas, mas o feedback técnico que receberemos dessas evoluções será importante para os próximos passos que tomaremos", acrescentou o dirigente.

Em 2019, a Ferrari foi a equipe mais rápida nos testes da pré-temporada, mas não tem conseguido repetir esse desempenho no campeonato. Até o GP do Canadá, a equipe só esteve próxima de vencer uma corrida, no Bahrein, mas naquela oportunidade foi atrapalhada pela quebra do motor do carro do monegasco Charles Leclerc.

No Canadá, o alemão Sebastian Vettel até foi o primeiro piloto a cruzar a linha de chegada, mas foi punido com o acréscimo de cinco segundos ao seu tempo final, por uma fechada no britânico Lewis Hamilton após cometer um erro, o que o levou a ser o segundo colocado na classificação final, atrás exatamente do piloto da Mercedes. A Ferrari ainda busca reverter essa punição nos tribunais.

Esse desempenho faz a Ferrari ser coadjuvante no campeonato, tanto que seu piloto mais bem colocado, Vettel, é o terceiro a 62 pontos do líder Hamilton. Já no Mundial de Construtores, está a 123 pontos da Mercedes, que ganhou as sete provas realizadas.

O desempenho consistente no Canadá deu um ânimo para a Ferrari, mas Binotto admitiu que a tarefa da equipe não será fácil em função das características do circuito de Paul Ricard, que voltou ao calendário da Fórmula 1 no ano passado, com vitória de Hamilton.

"Paul Ricard foi um circuito complicado para nós no ano passado e sabemos que este tipo de pista não é particularmente favorável para o nosso pacote, mas nada é impossível, por isso estaremos prontos para fazer o nosso melhor", concluiu o chefe da Ferrari.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.