Ferrari muda o tom e inocenta Rubinho

A direção da Ferrari distribuiu nesta quinta-feira um comunicado à imprensa mundial para explicar que a quebra da suspensão do carro de Rubens Barrichello, domingo, no GP da Hungria, teve um culpado: o próprio Rubinho. Horas depois, o assessor de imprensa da equipe, Luca Colajanni, deu outra versão para o que havia escrito. ?Em nenhum momento desejamos afirmar que Rubens teve responsabilidade no acidente?, disse, em telefonema à Agência Estado. Historicamente as equipes de Fórmula 1 protegem seus pilotos. A Ferrari já fez isso no passado com o seu número 1, Michael Schumacher. Desta vez, porém, jogou Rubinho na fogueira, dando margem a comentários de que ele não tem ambiente nenhum no time. O estudo desenvolvido pela Ferrari para apurar as causas da quebra da suspensão traseira esquerda do carro de Rubinho, no início da 20ª volta de um total de 70, na prova de Budapeste, detectou que o ?ângulo não usual do impacto das rodas na zebra das curvas 6 e 7, por duas vezes, expôs o braço anterior do triângulo superior da suspensão a esforços acima do projetado. Com isso, todo o conjunto não suportou as tensões geradas na frenagem do fim da reta.? A afirmação está no comunicado distribuído à imprensa. Naquele instante, Rubinho era o quinto colocado e mantinha bom ritmo de competição, atacado por Juan Pablo Montoya, da Williams, o sexto. Segundo os termos do comunicado, a Ferrari está tentando dizer que se o carro fosse usado como deveria não teria quebrado. Portanto, Rubinho não obedeceu o ?manual do proprietário? do modelo F2003-GA e, por isso, a concessionária não pode se responsabilizar pelos danos. Mas o mesmo procedimento não foi adotado anteriormente. Em 1997, por exemplo, a Ferrari não abandonou Michael Schumacher depois do que ele fez a Jacques Villeneuve, na decisão do título, em Jerez de la Frontera. O alemão foi réu confesso da tentativa de, deliberadamente, colocar o canadense para fora da pista a fim de sagra-se campeão. A FIA retirou o vice-campeonato de Schumacher como pena. Nem mesmo diante da consternação mundial com o comportamento de seu piloto a Ferrari o deixou sozinho. Colajanni deu a versão da Ferrari depois do comunicado ter provocado reações de revolta na mídia e nos fãs de Rubinho. ?Não houve, absolutamente, nenhum erro de Rubens. É normal um piloto tocar com as rodas nas zebras dos circuitos. As circunstâncias é que foram excepcionais para provocar o acidente. A Ferrari inocenta o piloto?, disse o assessor de imprensa. Talvez a maneira como foi redigido o texto, distribuído em dois idiomas, italiano e inglês, tenha gerado a confusão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.