Ferrari não vai demitir mecânico que errou em Cingapura

A Ferrari não vai demitir Federico Uguzzoni, chefe dos mecânicos da equipe e responsável pelo erro no pit stop, que arruinou a corrida de Felipe Massa no GP de Cingapura, no domingo. Após a corrida, o funcionário recebeu o apoio do chefe da equipe, Stefano Domenicali, e do piloto brasileiro."Não acho que haja muitas pessoas que queiram estar no lugar do mecânico que comanda o pit stop. Temos de ter muito respeito por essas pessoas. Eles não são grandes pilotos, mas fazem parte da equipe. E têm um trabalho muito difícil, sempre sob pressão", disse o dirigente."Nós ganhamos juntos e perdemos juntos, e esta filosofia não vai mudar por causa de um erro. Ficamos muito tristes, claro, como vocês podem imaginar. Mas Felipe foi vê-lo logo depois da prova, e disse ''está tudo bem, cara. Vamos em frente''. Como eu falei, estamos sempre unidos", concluiu Domenicali.O erro de Uguzzoni aconteceu no primeiro pit stop de Massa na prova. Ele liberou a saída do brasileiro dos boxes antes do fim do reabastecimento. Depois de ver a luz verde, que indicava que poderia sair, o piloto pisou no acelerador e levou consigo a mangueira que colocava gasolina no tanque.Massa teve de esperar no fim da área de boxes para que a mangueira fosse retirada, perdendo muito tempo. Na volta à pista, voltou em 18º - último, naquele momento - e não conseguiu se recuperar devido à falta de pontos de ultrapassagem no circuito de Cingapura. Para completar, teve de cumprir punição por ter deixado os boxes oferecendo perigo a outro piloto, Adrian Sutil.Esta não é a primeira vez que Uguzzoni envolve-se em um incidente durante uma parada nos boxes. No GP da Espanha de 2000, ele liberou Michael Schumacher antes da hora, e o alemão deixou os boxes atropelando o responsável pelo reabastecimento. Curiosamente, o atropelado fui Nigel Stepney, mecânico que ficaria famoso em 2007, quando foi o informante da Ferrari no caso de espionagem da McLaren, que acabou desclassificada a escuderia inglesa do Mundial de Construtores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.