Ferrari pode alcançar Lotus na Malásia, diz Alonso

O bom ritmo apresentado pela Lotus na abertura do Mundial de Fórmula 1 não impressiona Fernando Alonso. Segundo colocado no GP da Austrália, atrás apenas de Kimi Raikkonen, o espanhol, acredita que a Ferrari pode ser tão rápida quanto a equipe rival neste fim de semana, no GP da Malásia, no Circuito de Sepang.

AE, Agência Estado

21 de março de 2013 | 10h06

"O ritmo da Lotus estava muito bom, mas não é algo que não podemos alcançar. Não está fora do nosso alcance", comenta Alonso, nesta quinta-feira. "Eles tiveram uma corrida limpa, sem tráfego. Então eu acho que podemos fazer uma briga mais apertada".

Além de alcançar a Lotus, o piloto espanhol quer confirmar na Malásia o bom início da Ferrari a Austrália. Além do segundo lugar de Alonso, a equipe italiana ficou com a quarta posição de Felipe Massa.

"Depois de termos boas experiências nos testes de inverno [pré-temporada] e na Austrália, este fim de semana será um verdadeiro teste para nós. Vamos encarar como uma confirmação do bom desempenho do carro, até porque o circuito australiano é estranho e um tanto incomum", afirma o vencedor do GP da Malásia de 2012.

Diante do bom resultado do ano passado, Alonso demonstra confiança em buscar ao menos um pódio no domingo. "Aqui estaremos mais perto da luta pela vitória", diz o piloto, prestes a completar seu 200º GP na F1. "É com grande alegria e orgulho que atinjo essa marca. Nunca pensei em chegar à Fórmula 1 e permanecer por 200 GPs. Espero ultrapassar Michael Schumacher em número de pontos, vitórias, poles".

Desta forma, Alonso também não se preocupa com as difíceis condições climáticas em Sepang. "O calor e a umidade não são uma grande diferença, porque para nós dentro do carro não faz muito calor. Quanto se está dirigindo a 300 km/hora, o ar dentro do cockpit não é nada mal".

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1GP da MalásiaFerrariAlonso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.