Ferrari pode largar na frente de novo

Nesta quarta-feira, enquanto estiverem treinando no Circuito de Valência, a exemplo do que fazem desde segunda-feira, Juan Pablo Montoya e Ralf Schumacher, pilotos da Williams, estarão de olho no lançamento da Ferrari F1 2002 em Maranello. O motivo é simples: o modelo FW24, da Williams, assim como o MP4/17 da McLaren, não demonstraram, ao menos até agora, sequer a mesma velocidade de seus carros 2001. Se a Ferrari repetir no F1 2002 a eficiência do monoposto do ano passado, as possibilidades de Michael Schumacher ser campeão pela quinta vez crescerão bastante. Ainda é muito cedo, Williams e McLaren certamente desenvolverão bastante seus monopostos, mas também é verdade que, conforme Montoya e Ralf já disseram, a nova Williams nasceu menos veloz do esperado. David Coulthard fez declarações otimistas a respeito da nova McLaren, mas os tempos registrados em Barcelona e Valência a deixaram sempre atrás do modelo de 2001, modelo freqüentemente mais lento que a Ferrari F1 2001. Se Rory Byrne, projetista da escuderia italiana, acertar novamente no F1 2002, como a lógica sugere, já que a base do F1 2001 é excelente, ao menos nas primeiras etapas do Mundial a vantagem de Michael Schumacher sobre seus adversários tenderá a ser grande. Além da Williams, estarão nesta terça-feira no Circuito Ricardo Tormo, em Valência, as equipes Renault, Sauber, Jordan e Minardi. Nesta quarta-feira iniciam os testes a Arrows, BAR e Jaguar. Nesta segunda-feira, a Michelin molhou artificialmente o asfalto da pista. Williams e Renault treinaram. Montoya foi o mais veloz, 1min29s640 (38 voltas), com Williams FW24, seguido por Ralf, Williams FW23 e motor BMW novo, 1min30s172 (21). Jarno Trulli, com a nova Renault, fez 1min35s894 (12), quinto tempo. Rubens Barrichello, com Ferrari F1 2001, testou pneus para a Bridgestone em Mugello. Ele completou 74 voltas, sendo 1min23s257 na melhor. Na Inglatera, a Jaguar anunciou que Steve Nichols não é mais seu diretor-técnico. Os problemas sérios com a aerodinâmica do modelo R3 foram as causas da demissão do ultrapassado técnico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.