Vivek Prakash/Reuters - 4/4/2010
Vivek Prakash/Reuters - 4/4/2010

Ferrari pode ser processada por propaganda subliminar

Médicos pediram intervenção do governo para investigar a combinação de cores do uniforme e dos carros

EFE

29 de abril de 2010 | 10h10

Médicos britânicos pediram investigação para esclarecer a suposta publicidade subliminar que estaria sendo feita pela Ferrari em seus carros e uniformes para promover a marca de cigarros Marlboro, o que é proibido pela legislação europeia, que não permite propaganda de tabaco em eventos esportivos.

Segundo a edição desta quinta-feira do jornal britânico The Times, conceituados médicos pediram a intervenção governamental para investigar o caso.

De acordo com a acusação, a Ferrari tem usado as cores vermelho, branco e preto em seus carros e nos macacões dos pilotos, que trazem uma faixa horizontal branca na altura do peito, para "lembrar" uma embalagem da famosa marca de cigarros.

O jornal lembra que, na quarta-feira, um porta-voz da Comissão Europeia de Saúde Pública destacou que a equipe poderia estar realizando marketing subliminar em prol da empresa.

O porta-voz convocou os Governos da Espanha e do Reino Unido (que recebem os dois próximos Grandes Prêmios da temporada) para esclarecer a situação.

A acusação ganhou força quando John Britton, membro do Royal College Of Physicians (associação nacional de físicos do Reino Unido), destacou ao The Times, que a distribuição das cores utilizadas pela Ferrari, assim como o design, "lembram a parte inferior de um pacote de Marlboro".

"Fiquei muito surpreso quando vi, pois está passando dos limites", assinalou.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1FerrariMarlborocigarro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.