Ferrari prepara nova versão da F2003-GA

Antes ainda da prova de Hockenheim, domingo, Ross Brawn, diretor-técnico da Ferrari, já dizia que para o GP da Itália, dia 14 de setembro, Michael Schumacher e Rubens Barrichello irão contar com uma nova versão do modelo F2003-GA. Depois da corrida então, em que a equipe sofreu uma derrota humilhante para a Williams, Brawm confirmou, com raiva, o que falara antes: "A Ferrari voltará a ser o que era, vamos trabalhar na aerodinâmica, usaremos um motor ainda melhor, haverá novidades na eletrônica e, tenho certeza, a Bridgestone, nos dará pneus mais competitivos."A forma arrasadora como Juan Pablo Montoya, com Williams-BMW-Michelin, venceu o GP da Alemanha, domingo, transferiu de Schumacher para si o favoritismo do título. A imprensa italiana havia até publicado já que Rory Byrne e Ross Brawn trabalham numa nova versão do carro da Ferrari, como fez a Williams, com enorme sucesso, com o seu FW25, usado pela primeira vez no GP da Mônaco. De lá para cá, seis etapas, o time inglês conquistou 83 pontos em 108 possíveis, ao passo que nas seis provas anteriores, não passou de 35.O melhor resultado de Schumacher nas últimas quatro corridas foi um terceiro lugar na França, enquanto Montoya obteve uma vitória e três segundos lugares. O alemão somou 17 pontos diante de 34, o dobro, de Montoya. Está claro que nessa progressão, Montoya deverá ultrapassar Schumacher na classificação do Mundial e, surpreendentemente, conquistar seu primeiro título. Antes do campeonato começar, quase ninguém imaginava que Schumacher poderia enfrentar resistência séria para ficar com seu sexto Mundial.Restam quatro etapas para o encerramento da temporada: o GP da Hungria, dia 24, o da Itália, 14 de setembro, dos Estados Unidos, 28 de setembro, e do Japão, 12 de outubro. Schumacher ainda lidera, com 71 pontos, seguido por Montoya, 65, e Kimi Raikkonen, McLaren, 62. Mas Montoya impôs a seus adversários domingo uma vantagem que não ocorria na Fórmula 1 desde o GP da Austrália de 1995. O colombiano chegou um minuto, cinco segundos e 459 milésimos na frente de David Coulthard, McLaren, segundo. A última vez que alguém fez algo parecido foi Damon Hill, também da Williams, quando até o segundo colocado, Olivier Panis, com Ligier, em Adelaide, chegou duas voltas atrás.É por esse motivo que a Ferrari promete reagir. Mas há um fator que pode, e muito, atrapalhar seus planos. Não é permitido treinar até o fim do mês. O grupo coordenado por Brawn terá seis dias, de 1º a 6 de setembro, para comprovar se as mudanças que estão sendo estudadas para o F2003-GA irão mesmo funcionar. Dia 7 já entra na semana da corrida de Monza e passa a valer, de novo, a proibição de treinar. E logo em seguida ao GP da Itália, os carros serão embarcados para os Estados Unidos e de lá para o Japão, para as duas corridas finais do campeonato. Em outras palavras, Ferrari e Bridgestone têm de acertar no que estão fazendo porque não haverá uma segunda chance.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.