Ferrari reclama e ameaça deixar a F-1

O presidente da Ferrari, Luca di Montezemolo, lançou uma alerta aos dirigentes da FIA, a Federação Internacional de Automobilismo. Mesmo que de maneira velada, deixou no ar a possibilidade de a escuderia abandonar a Fórmula 1 em conseqüência da chamada ?guerra dos pneus? - deflagrada depois das acusações de irregularidades nos pneus fornecidos pela Michelin. ?Não pensamos em deixar a Fórmula 1, mas tampouco somos obrigados a continuar?, disse Montezemolo em entevista publicada nesta quinta-feira pelo jornal italiano "La Gazzettadello Sport". ?Isso (permanecer ou não) depende do futuro?, acrescentou ele, A Ferrari, que usa pneus fornecidos pela Bridgestone, reclama dos concorrentes, em especial da Williams. Diz que a largura dos pneus Michelin ultrapassam a medida definida pela FIA e que por conta disso, estariam em clara vantagem sobre os demais. Pelo regulamento, a largura máxima seria de 270 milímetros, mas a Ferrari sustenta ter provas de que os pneus Michelin usados pela Williams no GP da Hungria tinham 16 milímetros a mais. Nas últimas etapas do Mundial, em especial depois da prova de Mônaco, dia 1º de junho, a Williams dominou quase todas as corridas, algumas de forma assustadora. E o pensamento geral na Fórmula 1 é que os pneus Michelin são os principais responsáveis por essa virada de perspectiva no campeonato, a ponto de fazer de Juan Pablo Montoya o favorito para conquistar o título.A Ferrari alega que depois da corrida, quando os carros param no parque fechado para a verificação técnica, os pneus da Williams e também da McLaren, ambas marca francesa, assumem largura maior. Diante do protesto a FIA resolveu mudar. A verificação será feita após a corrida e não antes dela, como vinha sendo feito até agora. A mudança começa já em Monza, a próxima etapa do campeonato, dia 14 de setembro.Depois do GP da Itália, restarão apenas o GP dos EUA, dia 28, e do Japão, 12 de outubro, em Suzuka. Montoya tem apenas um ponto a menos que o líder Michael Schumacher - 72 a 71 - enquanto Kimi Raikkonen, McLaren, 70.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.