Ferrari retira processo de espionagem contra McLaren

A Ferrari decidiu retirar, nestasexta-feira, o processo aberto no ano passado contra a rivalMcLaren devido ao escândalo de espionagem, "pelo bem da Fórmula1". A escuderia inglesa já havia sido multada em 100 milhões dedólares pela Federação Internacional do Automobilismo (FIA) eperdido todos os seus pontos no Mundial de Construtores de2007, por ter obtido irregularmente segredos da Ferrari. Paralelamente, a Ferrari abriu processo judicial contra aMcLaren e seu ex-funcionário Nigel Stepney, acusado de passaros segredos para a equipe rival e de tentar sabotar os carrosda Ferrari. O processo contra Stepney será mantido. "A Ferrari reconhece os reiterados pedidos de desculpa daMcLaren pelos fatos bem conhecidos que ocorreram durante ocampeonato da Fórmula 1 em 2007", disse a equipe italiana emnota. "Em nome dos melhores interesses da Fórmula 1, e levando emconta o fechamento formal em 2007 dos procedimentos da FIA e doConselho Mundial de Automobilismo da FIA contra a McLaren, aFerrari confirma que aceitou encerrar todas as controvérsiasremanescentes entre os dois times." "A Ferrari doará para a caridade o pagamento final recebidoda McLaren. A Ferrari vai manter suas acusações contra NigelStepney em relação ao assunto." Em outra nota, a McLaren disse ter concordado "emreembolsar os custos e despesas da Ferrari relativos àsquestões e um pagamento final". Detalhes financeiros não foramdivulgados. A polêmica começou quando se descobriu que Mike Coughlan,engenheiro-chefe da McLaren, possuía em sua casa um dossiê de780 páginas sobre a Ferrari. Coughlan e Stepney foram demitidosdas respectivas equipes. Um juiz de Modena (província italiana onde fica a sede daFerrari) vinha investigando o caso. Em fevereiro, executivos daMcLaren foram interrogados, e alguns materiais foram recolhidospara perícia. A complexa investigação sumiu do noticiário nos últimosmeses, e a nota da Ferrari indica que agora o juiz GiuseppeTibis se dedicará apenas ao caso de Stepney, que já foiinterrogado. A FIA disse em março que não puniria o ex-engenheiroferrarista, que confessou a participação na espionagem e pediuperdão, embora tenha negado as acusações de sabotagem. A Ferrari diz ter encontrado um pó misterioso em torno daentrada de combustível de seus carros antes do GP de Mônaco doano passado. O mesmo pó foi achado no bolso da calça deStepney, mas o britânico afirmou ter sido vítima de umaarmação. (Por Mark Meadows)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.