Ferrari se diz 'perplexa' com punição leve para Mercedes

Escuderia italiana foi uma das que entrou com protestos na FIA para punir a rival

AE, Agência Estado

21 de junho de 2013 | 15h49

MARANELLO - Por meio da coluna "Horse Whisperer", que publica em seu site oficial, a Ferrari disse que ficou "perplexa" com a decisão da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) de punir de forma branda a Mercedes, nesta sexta-feira, após julgamento realizado na última quinta, em Paris. Acusada de ter sido beneficiada por realizado testes privados com seu carro atual usando os novos pneus da Pirelli, em Barcelona, a equipe foi apenas repreendida pela entidade e suspensa do programa de formação de novos pilotos da Fórmula 1, marcado para acontecer no próximo mês, em Silverstone.

A Mercedes foi julgada por ter realizado três dias de testes privados, entre 15 e 17 de maio, no circuito de Barcelona, na Espanha, onde Lewis Hamilton e Nico Rosberg andaram com o carro deste ano da escuderia com o objetivo de se adaptar aos novos compostos fornecidos pela fabricante italiana.

Ao terem conhecimento da realização dos testes apenas em 26 de maio, data do GP de Mônaco vencido por Rosberg, a Ferrari e a Red Bull entraram com protestos junto à FIA, alegando que a Mercedes acabou tendo uma vantagem injusta em relação aos concorrentes ao treinar durante a temporada sem que as outras equipes pudessem fazer o mesmo.

"É um pouco desconcertante, para dizer o mínimo, ver que o culpado pode sair praticamente inocente por ter obtido uma vantagem esportiva injusta", ressaltou a Ferrari, lembrando que a própria FIA admitiu que a Mercedes, mesmo sem agir com má-fé, infringiu o regulamento da Fórmula 1.

Ao comentar a punição, a Ferrari ainda desdenhou da importância de a Mercedes não poder participar do programa de jovens pilotos no próximo mês, ao comparar a punição com o benefício que a equipe teve ao testar sozinha os novos pneus da Pirelli em Barcelona. "Não me digam que treinar por si só durante três dias no circuito da Catalunha é o mesmo que fazer testes junto as outras noves equipes em Silverstone com alguns jovens aspirantes ao volante e em um lugar em que a meteorologia pode ser muito variável, inclusive na metade do verão", disse a escuderia italiana, lembrando das condições previstas para o teste na Inglaterra.

Para completar, a escuderia italiana aproveitou o veredicto do julgamento para criticar o atual cenário da categoria maior do automobilismo. "A maneira com que as coisas funcionam atualmente na Fórmula 1 está sendo chata. Você comete um erro, compete com um componente ilegal, e somente dizem que você tem de trocá-lo para uma corrida seguinte. E aí vimos o que temos visto", reclamou.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1FerrariRed BullMercedes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.