Ferrari testa novos componentes

Pode-se acusar a Ferrari de tudo, menos de que a equipe não trabalha. Sem dúvida, os enormes investimentos na escuderia, estimados em cerca de US$ 300 milhões por temporada, e que segundo seu diretor-esportivo, Jean Todt, e Michael Schumacher justificam a decisão de domingo, são visíveis no número de testes realizados e nas novidades que o carro incorpora a cada prova. Hoje, por exemplo, numa das pistas da Ferrari, Fiorano, Luca Badoer, piloto de testes, experimentou novos componentes para a aerodinâmica. Já em Jerez de la Frontera, na Espanha, Luciano Burti, outro piloto de testes, testou diferentes tipos de pneus para a Bridgestone. Parte importante do avanço técnico do modelo F2002 dos italianos, este ano, deve-se à Bridgestone desenvolver seus pneus especificamente para o carro, o que não é o caso da Michelin, que fornece a Williams e a McLaren, monopostos bem distintos. Badoer completou 104 voltas em Fiorano, sendo a melhor em 58s938, bem próximo do recorde. Burti deu 84 voltas em Jerez e na mais veloz registrou 1min22s991. Amanhã e quinta Schumacher substitui Badoer no treino de Fiorano. O traçado localizado dentro da área da equipe é de baixa velocidade e serve bem para a preparação do carro para o GP de Mônaco, o próximo do calendário. No circuito Paul Ricard, no sul da França, Felipe Massa percorreu nada menos de 81 vezes a pista antiga do autódromo, onde a Fórmula 1 disputava suas corridas, com extensão de 5.800 metros, ainda que a famosa curva Signes, contornada a quase 300 km/h, tenha sido modificada no teste de hoje. Massa experimentou a versão aerodinâmica que será usada pela Sauber no GP do Canadá, corrida seguinte à de Mônaco, caracterizada por longas retas. Amanhã McLaren, Toyota e Arrows juntam-se à Sauber. Antonio Pizzonia, piloto de testes da Williams, foi o mais rápido do treinamento de Valência, Espanha, hoje. Ele registrou 1min12s850 (82 voltas), seguido por Marc Gené, outro piloto de testes da Williams, 1min13s170 (68), Jarno Trulli, Renault, 1min13s570 (84) e Jacques Villeneuve, BAR, 1min14s340 (81).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.