Ferrari vai buscar diferença <br>de pontos no GP da Malásia

Na abertura do Mundial de Fórmula 1, domingo, Michael Schumacher terminou em quarto, ?por conta das circunstâncias da prova?, o próprio vencedor, David Coulthard, da McLaren, reconheceu. De qualquer forma foi um início de campeonato inesperado para a Ferrari. E dia 23, na segunda etapa do Mundial, na Malásia, se valer a história da corrida do ano passado, mais uma vez Michael Schumacher e Rubens Barrichello podem encontrar sérias dificuldades para vencer. Na edição de 2002 na prova de Sepang, Ralf Schumacher, da Williams, chegou em primeiro, 1 minuto e 1 segundo à frente do irmão, Michael. O calor intenso privilegiou os pneus Michelin da Williams.Pode até ser, de repente, que Michael Schumacher saia da Malásia como líder na classificação, mas são boas as chances de acontecer ao contrário, os pilotos da McLaren, David Coulthard e Kimi Raikkonen, e Juan Pablo Montoya, da Willliams, até ampliarem sua vantagem sobre o piloto da Ferrari. Coulthard tem 10 pontos diante de 8 de Montoya e 6 de Raikkonen. Schumacher tem 5 pontos. A não ser que a Bridgestone, fornecedora de pneus da Ferrari, desenvolva um pneu melhor que o do ano passado para o calor sempre superior a 30 graus de Kuala Lumpur, as possibilidades do primeiro sucesso do ano para Schumacher serão bastante reduzidas.Os pilotos da Williams conseguiram uma dobradinha em Sepang, em 2001, porque a maior adaptação do pneu francês às elevadas temperaturas deram a Ralf e Montoya a chance de cumprir as 56 voltas no traçado de 5.543 metros de Sepang com um único pit stop. Schumacher, apesar de mais leve, por causa da estratégia de dois pits stops, não acompanhou o ritmo de Ralf e Montoya, daí cruzar a linha de chegada mais um 1 minuto depois. Como conseqüência do resultado do GP da Malásia, a Ferrari antecipou para o GP do Brasil a estréia do novo carro, F-2002, em uso até hoje.Se ocorrer o mesmo agora, a etapa de Interlagos pode, de repente, assistir à estréia do F-2003-GA, que Felipe Massa e Luca Badoer testarão até sexta-feira em Fiorano e Mugello. Ross Brawn, diretor-técnico da equipe, comentou ainda domingo: "Numa prova como a de hoje, em que tantos fatores interferiram no resultado final, o novo carro não mudaria em nada o desempenho da Ferrari." Mas se depois da Malásia a desvantagem de Schumacher para Coulthard subir de 5 para 10 pontos, por exemplo, Brawn irá querer antecipar a estréia do F2003-GA para Interlagos, como em 2002, agora dia 6 de abril, terceira etapa do Mundial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.