Bryn Lennon/ AP
Bryn Lennon/ AP

FIA abre investigação para descobrir causas de grave acidente de Grosjean na F-1

Piloto francês sofreu, neste domingo, grave acidente na primeira volta do GP do Bahrein

Redação, Estadão Conteúdo

29 de novembro de 2020 | 20h00

O grave e impressionante acidente de Romain Grosjean, da Haas, na primeira volta do GP do Bahrein de Fórmula 1, está sob investigação da Federação Internacional de Automobilismo (FIA). A entidade quer saber o que originou a forte batida e a consequente explosão do carro do francês, e buscar maneiras de aumentar ainda mais a segurança dos pilotos.

Depois de atravessar a pista e tocar na AlphaTauri de Daniil Kvyat, o carro da Haas foi lançado à barreira de proteção, se partindo em dois antes de explodir. O piloto sofreu queimaduras nas duas mãos, mas não teve fraturas no acidente. Mesmo assim passará a noite no hospital para tratamento específico.

"Como parte de cada incidente que ocorre, a FIA realiza uma investigação completa. Então, durante a corrida, muitas de nossas equipes começaram a coletar todos os dados que estavam disponíveis, incluindo câmeras de vídeo com qualquer ângulo possível", afirmou Michael Masi, diretor de prova da F-1. "Nossas equipes técnicas já começaram a tirar muitas fotos e entender o carro quando ele foi devolvido à equipe."

O diretor não escondeu a apreensão com o acidente logo no começo da corrida. "Uma situação difícil. Nunca é algo que gostamos de ver, um grande incidente, especialmente envolvendo um incêndio. Mas estou mais feliz do que qualquer coisa por Romain estar bem. Ele está no hospital sob observação e desejamos-lhe uma recuperação muito rápida."

Masi ficou bastante aliviado por nada de mais grave ter ocorrido com o piloto francês. E revelou como serão as investigações, buscando cada vez mais preservar o bem-estar e a segurança dos pilotos.

"Haverá uma análise geral completa de tudo, nos mínimos detalhes, para ver o que podemos aprender com isso. A segurança está sempre evoluindo, sempre melhorando. Você pode aprender com tudo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.