FIA convoca equipes do Caso Michelin

As sete escuderias que usam pneus Michelin e que se recusaram a participar do GP de Indianápolis de F-1, no domingo, foram convocadas pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA) para uma audiência no dia 29 de junho, em Paris. Os donos das equipes terão de explicar ao Conselho Mundial da entidade quais seriam as razões concretas que colocariam em risco a segurança dos pilotos, como alegou a fábrica francesa. O GP foi disputado no domingo com apenas três equipes (Ferrari, Jordan e Minardi) na pista, justamente os que utilizam pneus da marca japonesa Bridgestone: Ferrari, Jordan e Minardi. Todas as demais - Toyota, Renault, McLaren-Mercedes, Williams-BMW, BAR-Honda, Sauber-Petronas y Red Bull-Cosworth - se retiraram da prova após a volta de apresentação por recomendação da Michelin, que informou em nota oficial que não poderia oferecer segurança aos pilotos em função das condições da pista. Nos treinos de sexta-feira - após um acidente com o carro de Ralf Schumacher (Toyota) - a Michelin identificou uma falha na composição dos pneus. Pediu a substituição dos equipamentos, mas a FIA não autorizou. Além disso, as equipes pediam a instalação de uma chicane na curva mais perigosa do circuito para reduzir a velocidade dos carros, mas também não foram atendidas. Correndo praticamente sozinha, a Ferrari fez dobradinha - com Michael Schumacher em primeiro e Rubens Barrichello em segundo. Com o resultado, a briga pelo título voltou a ficar embolada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.