FIA culpa equipes por duas infrações

Depois do imenso desgaste da Fórmula 1 em Indianápolis, dia 19, quando apenas seis carros disputaram o GP dos Estados Unidos, a FIA decidiu, hoje, em Paris, colocar panos quentes na história. As sete equipes que usam pneus Michelin foram consideradas culpadas, pelo Conselho Mundial da entidade, em duas acusações e inocentadas em três. Elas não correram em Indianápolis porque a Michelin, sua fornecedora de pneus, detectou que seus pneus explodiam depois de dez voltas. Mas apesar do veredicto, Max Mosley, presidente da FIA, disse que uma eventual punição será definida apenas no próximo encontro do Conselho, dia 14 de setembro. Renault, McLaren, Williams, Toyota, Red Bull, Sauber e BAR são culpadas, segundo a FIA, por não terem apresentado pneus apropriados para a corrida e por recusarem-se a disputar o GP dos Estados Unidos. Mas inocentadas por não aceitar o controle de velocidade, sugerido pela FIA, a fim de evitar a explosão do pneu, por abandonar a prova depois da volta de apresentação e não comunicarem aos comissários sua decisão. "O Conselho adiou a discussão sobre punições para uma nova reunião, quando poderemos ver as ações tomadas para compensar o nosso público", afirmou Mosley. ´Além disso, vamos esperar e ver o que as equipes da Michelin farão para garantirem-se de que o ocorrido não se repetirá." Representantes dos sete times emitiram comunicado informando que recorrerão da decisão, enquanto os 14 pilotos dessas escuderias, mais os da Minardi, que competem com pneus Bridgestone, divulgaram um manifesto apoiando a decisão de seus dirigentes em Indianápolis. Apesar de a FIA mudar, hoje, seu discurso de ameaça de antes do encontro do Conselho, Mosley declarou ter orientado os comissários do GP da França, domingo, a excluir do evento os carros da Michelin que representarem risco. O presidente da FIA também disponibilizou no site da entidade, hoje, uma carta-resposta a Edouard Michelin, que lhe acusara de difamar a empresa. Mosley retaliou: "Sabemos que alguns problemas que vocês tiveram nos seus pneus nos dois últimos anos não foram causados por detritos na pista, como vocês alegaram, mas em razão de falhas na construção." E ameaçou: "Os pneus Michelin estão sob investigação."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.