Benoit Tessier/Reuters
Benoit Tessier/Reuters

FIA deve dar veredicto sobre Renault nesta segunda

'Nós acreditamos que a pena seja injusta", afirma Steve Nielsen, chefe da equipe francesa

AE-AP, Agencia Estado

17 de agosto de 2009 | 09h42

PARIS - O julgamento do recurso da Renault contra a suspensão da equipe do GP da Europa se iniciou nesta segunda-feira no Tribunal de Apelações da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), em Paris. De acordo com os juízes, a tendência é que o veredicto seja dado ainda neste segunda.

Durante o GP da Hungria, o espanhol Fernando Alonso foi liberado dos boxes, mesmo sem a troca de pneus ter sido feita de maneira correta durante o pit stop. Pouco depois, um dos pneus dianteiros do carro de Alonso se soltou. A FIA decidiu punir a equipe por ter considerado seu comportamento negligente.

A Renault acredita que vai conseguir a reversão da pena, que faria com que Fernando Alonso não pudesse correr em seu país. "Eu estou otimista desde quando recebemos a punição. Nós acreditamos que a pena seja injusta", afirmou Steve Nielsen, chefe da equipe Renault.

"Nós temos que admitir que alguma coisa estava errada, mas nós não pensamos que a sanção adequada seja como se fosse um crime", completou. No julgamento, a Renault é representada por Bob Bell e Pat Symonds. Charlie Whiting, delegado-técnico da FIA, representa os comissários de pista que puniram a escuderia.

Nielsen acredita que o torcedor espanhol não pode ser privado de assistir uma corrida de Fernando Alonso. "Para o bem de nós, da Renault, e para bem de todos os fãs de Valência que pretendem adquirir ingressos, todos querem saber se Alonso vai correr ou não", comentou.

"A razão de existirem duas corridas em Espanha é em grande parte por causa de Fernando. As pessoas na Espanha nunca foram tão interessados na Fórmula 1, até que ele apareceu, e agora é um grande esporte lá".

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1RenaultFIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.