Arquivo/AE
Arquivo/AE

FIA diz que pode adiar novo sistema de pontos da F1 até 2010

Escuderias encontram brecha em regulamento da FIA, que pode reverter posição sobre nova classificação

REUTERS

20 de março de 2009 | 15h12

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) disse nesta sexta-feira que pode adiar até a temporada de 2010 a implantação do controverso novo sistema que dará o título de pilotos àquele que tiver vencido o maior número de corridas. "Se, por algum motivo, as equipes da F-1 não estão de acordo com o novo sistema, a implementação poderá ser atrasada até 2010", disse a FIA em comunicado.

Veja também:

forum O campeão da F-1 deve ser quem vencer mais?

linkEquipes afirmam que mudança na regra da F-1 é inválida

linkLewis Hamilton critica mudanças e pede que FIA ouça equipes

Em nota divulgada na sexta-feira, as equipes disseram que a entidade que controla a Fórmula 1 agiu fora das regras quando decidiu alterar o sistema de pontuação para a temporada 2009. A FIA anunciou na terça-feira que o piloto com o maior número de provas vencidas conquistará o título, ao invés de premiar aquele com a maior pontuação.

Mas a associação das equipes de Fórmula 1 (Fota, na sigla em inglês), disse que as escuderias "concordaram por unanimidade em questionar a validade da decisão". "É tarde demais para a FIA impor uma mudança para a temporada de 2009 sem acordo unânime de todos os competidores propriamente inscritos no campeonato 2009 da F1", disse o comunicado.

O conselho da FIA rejeitou esta semana uma proposta apresentada pela Fota para alterar a estrutura de pontuação para 12-9-7-5-4-3-2-1 dos atuais 10-8-6-5-4-3-2-1. A Fota, no entanto, disse que as equipes estão preparadas para trabalhar com a FIA para um novo sistema de pontuação para a temporada de 2010.

A mudança nas regras foram recebidas com reações mistas. O campeão mundial Lewis Hamilton disse ter dúvidas sobre o novo sistema. "Acho que é uma vergonha o que está acontecendo na Fórmula 1", disse o piloto britânico, de 24 anos, em comunicado. "É difícil acreditar que as decisões recentes causarão melhorias para os espectadores nos circuitos e na TV, que devem ser sempre a nossa prioridade número um, mas creio que teremos que esperar para ver".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.