FIA diz que respeitou as regras

A Federação Internacional de Automobilismo(FIA) afirmou nesta segunda-feira que se aceitasse colocar umavariante na curva 13 do circuito de Indianápolis - como exigiam asequipes com pneus Michelin para correr no Grande Prêmio dos EstadosUnidos - o organismo quebraria suas próprias regras. A FIA afirma em comunicado que "a Fórmula 1 é um concursoesportivo que deve operar segundo regras claras que não devem sernegociadas cada vez que um competidor levar um equipamentoinadequado a uma corrida". "Em Indianápolis soubemos que os pneus da Michelin não eramseguros a menos que seus carros diminuíssem a velocidade na curvaprincipal. Compreendemos a situação e, entre outras sugestões,oferecemos a possibilidade de ajudá-los controlando as velocidadesde seus carros e penalizando qualquer excesso. No entanto, asequipes Michelin rejeitaram a proposta, a menos que também afetasseas equipes Bridgestone, e sugeriram a colocação de uma variante",acrescenta a FIA. A federação afirma que "as equipes Michelin pareciam incapazes deentender que isso implicaria falta de esportividade e transgrediriaas regras. As equipes Bridgestone tinham os pneus apropriados e nãoprecisariam diminuir a velocidade nesse ponto". "Uma menor velocidade das equipes Michelin na curva 13 teria sidoa conseqüência direta por estar com um equipamento inferior, algoque costuma acontecer na Fórmula 1", afirma a FIA em seu comunicado. A FIA lembra que em 1º de junho escreveu a todas as equipes e aosdois fabricantes de pneus e comunicou a eles que as rodas "devem serfabricadas para responder adequadamente a qualquer tipo decircunstâncias". Além disso, a federação diz que a colocação da variante "nãorespeitaria os modernos sistemas de segurança, com a possibilidadede afetar os carros e seus freios". "Não é difícil imaginar que reação teria um tribunal americanocaso acontecesse um acidente. A FIA seria obrigada a admitir quefalhou ao aplicar suas próprias normas de segurança", acrescenta. "A razão para este desastre é clara. Cada equipe tem apossibilidade de levar a cada grande prêmio dois tipos de pneus: umprincipal e outro de apoio, mais lento, mas igualmente confiável.Aparentemente, nenhum dos dois modelos que a Michelin levou aIndianápolis teria servido como segunda opção. A empresa inclusiveanunciou que levaria outro tipo de pneus da França, mas afirmou queestes também não seriam totalmente seguros." "E o que acontece com os fãs americanos e com os do resto domundo? Em vez de boicotar a corrida, as equipes Michelin deveriamter aceitado correr reduzindo suas velocidades na curva 13. Destaforma, as regras seriam cumpridas, eles teriam a opção de somarpontos e os espectadores teriam uma corrida", comenta a FIA. "Ao ter rejeitado correr a menos que a FIA quebrasse suaspróprias regras, o que seria injusto com as equipes Bridgestone, asequipes Michelin prejudicaram o esporte e elas mesmas", diz afederação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.