FIA limita uso de motores em 2004

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) anunciou nesta quarta-feira que, a partir de 2004, os pilotos poderão utilizar um só motor por fim de semana de corrida. A decisão foi tomada na reunião da Comissão de Fórmula 1, como parte do esforço para reduzir os custos da categoria. Várias outras medidas foram determinadas, algumas com aplicação imediata. Com a limitação do uso de motores, os infratores receberão uma dura pena. O piloto que recorrer a um outro propulsor vai ser punido com a perda de 10 posições no grid de largada, independentemente de a troca ocorrer nos treinos livres, classificatórios ou warm-up de um GP. O uso do carro reserva será considerado como troca de motor, o que também implicará na aplicação da punição. A FIA vai definir, em conjunto com as equipes, o que será considerado troca de motor. O objetivo é impedir que, ocorrendo algum problema, o propulsor seja ?reconstruído? no próprio circuito. A restrição ao uso de motores já era esperada, apesar da resistência de algumas equipes, principalmente das maiores. Chiadeira - Logo após a divulgação das novas regras, nesta quarta-feira, a chiadeira recomeçou. Um dos mais irritados é o irlandês Eddie Irvine, da Jaguar. ?A F-1 é um esporte, não Hollywood. Manter o espetáculo é algo sadio, mas não de maneira imposta, fabricada?, criticou Irvine, para quem deveria ser permitido o uso de um motor por dia de atividade, três a cada GP. ?Não acredito que esse tipo de medida irá reduzir custos.? No entanto, a FIA espera uma economia de pelo menos US$ 26,5 milhões. Também pensando na redução dos custos, o Conselho da F-1 determinou que os atuais chassis não sofrerão alterações até 2004. Uma medida estabelecida nesta quarta-feira pela FIA terá aplicação imediata ? começa a vigorar no GP do Brasil: o piloto que for considerado culpado pelos comissários esportivos de um acidente, vai ser punido com a perda de 10 posições no grid na corrida seguinte.Também passa a valer a regra que determina que todo carro que não conseguir se mover sem ajuda externa no grid 30 segundos após a luz verde ser acionada terá de ser levado para o pit lane. O uso do Hans, equipamento que protege o pescoço e a cabeça do piloto, deverá ser obrigatório, tanto na F-1 como na F-3000, a partir de 1º de janeiro de 2003. No entanto, o encontro deixou uma ?brecha? que pode levar à revisão da medida: isso ocorrerá se alguma equipe reclamar que o dispositivo causa alguma desvantagem ao rendimento do carro ou do piloto. Além disso, é preciso a autorização da Daimler-Chrysler, detentora da patente do equipamento. Na reunião em Paris ficou estabelecido que a numeração dos carros será definida com base na classificação no Mundial de Construtores do ano anterior, com exceção dos número 1 e 2, reservados à equipe do piloto campeão.

Agencia Estado,

20 Março 2002 | 14h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.