Aly Song/Reuters
Aly Song/Reuters

FIA pune McLaren por 3 corridas, mas deixa pena em suspenso

Punição entra em vigor caso apareçam novos elementos ou se a equipe voltar a violar as regras em 12 meses

EFE

29 de abril de 2009 | 09h19

PARIS - O Conselho Mundial da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) suspendeu nesta quarta-feira a McLaren por três corridas por ter mentido aos comissários do órgão durante o Grande Prêmio da Austrália de Fórmula 1, mas a pena não será aplicada de imediato.

Veja também:

linkMcLaren acata e agradece pelo tipo de punição da FIA

tabela F-1: classificação do Mundial

especialConfira o calendário da temporada

especialESPECIAL: jogue o Desafio dos Pilotos

Segundo a FIA, a punição entrará em vigor caso apareçam novos elementos relacionados ao caso ou se a McLaren voltar a violar as regras da Fórmula 1 nos próximos 12 meses.

O Conselho Mundial levou em conta a atitude "aberta e honesta" do chefe de equipe da McLaren, Martin Whitmarsh, que expressou à FIA a "mudança de cultura" ocorrida na organização da escuderia.

Único representante da McLaren a ter comparecido perante o Conselho Mundial, Whitmarsh reconheceu ter cometido erros e apresentou suas desculpas à organização.

Diante disso, o Conselho "considera que suspender a aplicação da pena é o apropriado", indicou a FIA em comunicado.

A McLaren respondeu a cinco acusações de violação do regulamento da FIA por ter mentido aos comissários de corrida durante o GP da Austrália, em 29 de março.

Nessa corrida, a escuderia disse que um de seus pilotos, o inglês Lewis Hamilton, não tinha recebido ordens de equipe para ser ultrapassado pelo italiano Jarno Trulli, da Toyota, durante bandeira amarela.

No final da prova, Trulli foi punido pela ultrapassagem e perdeu o terceiro lugar na corrida para Hamilton. Entretano, as gravações das ordens da McLaren comprovaram que o piloto inglês tinha recebido ordens para deixar Trulli passar, algo que a McLaren negava.

Os comissários devolveram ao italiano seu lugar no pódio e puniram Hamilton.

Finalmente, a escuderia inglesa admitiu a mentira e colocou toda a responsabilidade em seu diretor esportivo, Dave Ryan, que foi demitido do cargo.

Desde então, a McLaren mostrou uma atitude conciliadora e obrigou Hamilton a realizar uma entrevista coletiva para pedir perdão e anunciar que acataria qualquer punição que lhe fosse imposta.

Esta não é a primeira vez que a escuderia passa diante dos juízes da FIA. Há dois anos, a McLaren, ainda dirigida por Ron Denis, recebeu multa de 100 milhões de euros e perdeu todos os pontos do Mundial de Construtores por um caso de espionagem contra a Ferrari.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1McLarenFIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.