FIA só anuncia nesta terça o resultado de recurso da McLaren

Equipe inglesa espera que Hamilton recupere os pontos que foram perdidos com a punição no GP da Bélgica

Agência Estado,

22 de setembro de 2008 | 22h05

A McLaren saiu otimista do primeiro dia do julgamento do recurso contra a punição a Lewis Hamilton no GP da Bélgica, mas a Corte de Apelações da Federação Internacional de Automobilismo (FIA) decidiu anunciar apenas nesta terça-feira se mantém ou retira o acréscimo de 25 segundos no tempo final do piloto inglês, que caiu do primeiro para o terceiro lugar na corrida disputada em Spa-Francorchamps, no último dia 7. Hamilton foi punido porque, segundo os comissários da prova, levou vantagem ao sair da pista durante uma tentativa de ultrapassagem contra Kimi Raikkonen, no fim da antepenúltima volta da prova. Hamilton cortou uma chicane, voltou à frente de Raikkonen, deu passagem para o finlandês da Ferrari e depois o ultrapassou novamente, mas o comissários acharam que ele levou vantagem por sua saída da pista. Com o acréscimo no tempo final de prova, Hamilton caiu da primeira para a terceira colocação - a vitória ficou com Felipe Massa, da Ferrari, seguido pelo alemão Nick Heidfeld, da BMW. Hoje, Hamilton lidera a temporada com 78 pontos, contra 77 de Massa. Se recuperar a vitória, irá a 82, ante 75 do brasileiro, que volta a ter a segunda posição. "Acho que correu tudo bem. Agora a decisão cabe à Corte Internacional de Apelações. Acho que eles se convenceram de nossos argumentos", afirmou Martin Whitmarsh, diretor da McLaren. Hamilton participou da audiência, antes de seguir viagem para Cingapura, onde no domingo será disputada a 14ª etapa da temporada - a primeira corrida à noite da história da Fórmula 1. Uma das alegações da McLaren é que a manobra de Hamilton, de dar passagem a Raikkonen, foi avalizada pelo diretor da prova, Charlie Whiting, em conversa com o diretor esportivo da equipe, Dave Ryan. "Você acha que a manobra foi legal?", questionou Ryan. "Acredito que foi OK", respondeu Whiting. A punição no caso seria um drive-through, para a qual a FIA não admite recurso, mas como a prova já estava no fim foi decidido o acréscimo de 25 segundos no tempo final. Em entrevista ao site oficial da Fórmula 1, Hamilton disse que já não está preocupado com os resultados na Bélgica ou na Itália, quando ficou apenas com a sétima posição. "Cada corrida é diferente e nós estamos preparados para Cingapura", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1McLarenLewis HamiltonFIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.