Arquivo/AE
Arquivo/AE

FIA suspeita que parte das escuderias da F-1 não quer acordo

Segundo nota, entidade e Fota estariam muito perto de um consenso sobre o regulamento do próximo ano

EFE

15 de junho de 2009 | 10h57

PARIS - A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) divulgou nota afirmando que alguns membros da Associação de Escuderias da Fórmula 1 (Fota, em inglês) estão decididos a recusar qualquer acordo de parte do organismo.

Veja também:

link Fota diz que não irá responder a acusações da FIA

"É evidente que há um elemento na Fota decidido a impedir que qualquer acordo seja alcançado, independentemente dos danos que possam ser causados ao esporte", disse a federação.

Na última quinta, o inglês Max Mosley, presidente da FIA, se reuniu com uma delegação da Fota formada por Ross Brawn (Brawn GP), Stefano Domenicali (Ferrari), Christian Horner (Red Bull), John Howett (Toyota) e Simone Perillo (Fota).

"Foi uma reunião muito construtiva, com alto grau de acordo, e ficamos surpresos ao saber que alguns membros da Fota que não foram alegaram falsamente que nada foi acordado, e que a reunião tinha sido uma perda de tempo", completou a nota.

O encontro teria definido um acordo para regulamentação técnica já no ano que vem, oferecendo auxílio às novas equipes das escuderias mais tradicionais.

Ainda segundo a nota, FIA e Fota estariam muito perto de um consenso sobre a redução de custos, e que especialistas financeiros de ambas as partes se reunirão o mais rápido possível para "finalizar os detalhes".

A federação também teria proposto prorrogar o Acordo de Concórdia, que regulamenta a categoria, de 1998 até 2014, para evitar longas negociações. "Isto foi bem recebido pelos membros presentes, que se comprometeram a informar esta sugestão aos demais participantes da Fota", terminou o comunicado.

Tudo o que sabemos sobre:
Fórmula 1FIAFotaMax Mosley

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.