Fila por ingressos irrita torcedores

Ser organizado e economizar dinheiro não foi suficiente para que um grande número de torcedores tivessem problemas na manhã de hoje, antes do início dos treinos livres do Grande Prêmio Brasil. Várias pessoas denunciaram que não receberam os ingressos comprados através do serviço telefônico do ABN AMRO Bank, que prometia a entrega até a noite de quinta-feira, e acabaram perdendo parte dos treinos livres por ter ficado na fila para retirá-los na manhã de hoje. Ademir Polesso, que mora na capital, gastou R$ 1.800,00 em ingressos, pagos à vista em fevereiro, mais a taxa de entrega de R$ 10,00. "Fiquei aguardando até a semana passada e, como não recebi, liguei para o serviço de atendimento e eles disseram que seriam entregues aqui, que seria só passar e pegar", conta. Na fila, o engenheiro perdeu a primeira parte dos treinos. Átila Kovacs, que também mora na capital, disse que comprou seis ingressos. "Os cinco que eram do meu cunhado foram entregues, só o meu que não." O torcedor, que pretende pedir indenização, disse que ao ligar para o serviço de atendimento foi informado de que o banco tinha tido problemas com o serviço de moto-boys. "Mas o pior é que eles falaram que não irão devolver os R$ 10,00 da taxa de entrega." Fernando Bataglin comprou seus ingressos em janeiro, disse que tinha a promessa de receber o cartão em casa, em Campinas, mas acabou na fila. "Já tinha recorrido ao serviço outros três anos e esta foi a primeira vez que tive problemas." O ABN AMRO Bank informou que um dos principais problemas enfrentados este ano foi de que em várias ocasiões os entregadores não encontraram pessoas para receber os ingressos nos endereços estipulados. Segundo o banco, são feitas duas tentativas antes do envio para a central de atendimento no autódromo e, como muita gente deixou para retirá-los na última hora, aconteceu o problema das filas. O ABN diz que, no entanto, está disposto a discutir os problemas dos torcedores descontentes caso a caso pelo telefone 0800-142001 no período entre 4 e 30 de abril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.