Fora na Austrália, Hispania espera correr na Malásia

Com desempenho ruim nas suas duas primeiras temporadas na Fórmula 1, a Hispania começou ainda pior o seu terceiro campeonato. Depois não participar dos testes coletivos da pré-temporada, a equipe enfrentou muitos problemas com o F112 e viu o espanhol Pedro de la Rosa e o indiano Narain Karthikeyan ficarem fora da disputa do GP da Austrália por terem extrapolado o limite de 107% em relação ao melhor tempo da primeira parte do treino de classificação. Agora, os pilotos esperam obter a classificação para o GP da Malásia, que será disputado neste domingo no circuito de Sepang.

AE, Agência Estado

19 de março de 2012 | 14h58

"Nossas duas prioridades para Malásia são ter a asa móvel e melhorar a direção hidráulica neste curto período que estivermos fora da Europa. Na Austrália, pudemos completar apenas sete voltas rápidas, então precisamos de mais tempo de pista para conhecer o carro e melhorar o acerto. Se pudermos alcançar isto, poderemos ter um bom Grande Prêmio", disse De la Rosa.

Karthikeyan se disse confiante na capacidade de Hispania de fazer os ajustes necessários no carro para entrar no grid do GP da Malásia. "Nosso primeiro fim de semana em Melbourne não foi fácil, mas a equipe está trabalhando duro e nós esperamos acumular o máximo de quilometragem com o carro novo para deixá-los em condições ideais para o treino de classificação e a corrida. A equipe está trabalhando para resolver os problemas de confiabilidade que enfrentamos, então estou confiante de que as coisas serão muito melhores na Malásia", disse.

Apesar da esperança de se classificar para o GP da Malásia, De la Rosa revelou considerar o circuito malaio o mais exigente do calendário da Fórmula 1. "Sepang é provavelmente a mais difícil pista do ano para o carro e o piloto. Mecanicamente é uma pista muito exigente porque há muitas curvas de alta velocidade e também é muito quente e úmido", disse o espanhol.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.